Tuesday, November 12, 2019

O Pensamento é a Arma, a Energia e o Feitiço Mais Poderoso do Mundo

Um americano Christopher W. Cleary, pecou pena de prisão após postar uma mensagem no Facebook ameaçando matar “tantas garotas quanto eu vejo”.  Ele disse que postou a frase depois de ir a a um jogo de basquete do Utah e de ver pessoas em relacionamentos felizes. Ele parecia o único triste. O seu posto alimentou medos porque em poucas  horas as mulheres iriam marchar por muitas cidades dos EUA. 
A gente faz causa primeiro com os pensamentos, depois  as palavras por ultimo as ações. 
Eu pensava que a ação era o mais importante, afinal o Chico pode dizer que deseja matar a Silvana e nunca mata-la.
A Rosana vive falando que não se separa por causa dos filhos. Que se ela pudesse ela iria embora, ela não vai por causa dos filhos.
Se isso faz parte do pensamento da Rosana, ela pode achar que a familia esta unida, Mas a familia ja esta separada.
A pessoa pode não matar, mas a pessoa manda aquela energia para o mundo. 
O pensamento ja cria o resultado mesmo que primeira vista parece impossível?
E todas as coisas que uma pessoa deseja em pensamentos para os outros, ja desejou para si primeiro. A pessoa entra naquela energia,
O pensamento e o feitiço mais poderoso do mundo.
A mente é um computador. Tudo que colocamos na mente fica arquivado. E na mente fica a pineal que atrai o que voce pensa.
Ela começa a procurar coisas que comprovam aquilo.  
A única maneira que a gente pode curar o universo é se curando, 
Paulo coelho diz que tudo que voce deseja o Universo conspira a seu favor. 
Sera? E o meu desejo de viajar e ficar rica? 







9 de junho Vagner 

Monday, November 11, 2019

Ódio Mortal

Eu odeio o ódio.
Eu odeio quem odeia,
Eu odeio ser odiada,
Eu odeio tudo que é odiável.
Odiar é o que odeio.
E voce? O que voce odeia?

O Assistent Social Inflator

Roberto é um assistente social que trabalha com adolescentes, esses adolescentes tem a atenção da sociedade sendo infratores. na comunidade tem varias reuniões de professores, diretores, assistentes sociais, advogados e finalmente a corte com o juiz. Alguns desses jovens  saem nos jornais locais.
Assistente Sociais normalmente  são mulheres que cresceram numa classe social menos favorecida, que acreditam que a assistência social pode mudar a realidade dos menos privilegiados.
Roberto  cresceu numa familia de classe media alta e nunca se preocupou com a realidade dos menos favorecidos.
Mas para quem sabe que tudo é a lei da afinidade. Porque Roberto é assistente social? 
Roberto queria ser um artista, mas numa familia de medicos e advogados, era necessário  ter uma profissão que garantisse o sucesso financeiro, e a respeitabilidade social. E para a familia de Roberto, artistas não passavam de drogados.
Por lealdade a sua familia, Roberto resolveu seguir o script e ignorar  o seu lado artístico.
E acabou neste emprego por afinidade. Ele se tornou um inflator, ja que não tem o status devido. A corte se da nos feriados em familia. Os Juizes são seus pais, os advogados seus irmãos, os assistentes sociais seus filhos, os diretores os cunhados.
Os adolescentes com os quais Roberto trabalha, são jovens que choram por atenção.  Eles sentem a necessidade de serem vistos, ouvidos, querem sentir que eles contam.
Roberto se casou com uma imigrante chinesa, sem status. Uma vergonha para a famil
Roberto adora contar os seus problemas no tribunal da familia. O carro de segunda mão, a casa que precisa  de reparos. os problemas com o chefe no trabalho.
Quando tudo esta funcionando, ele briga com a mulher. Na ultima Páscoa em familia, ele brigou com a mulher antes de irem para o almoço na casa do filho e nora. No almoço, ele começou a jogar indireta: " Como não gosta quando pessoas fazem certas coisas".  Roberto tem tanta necessidade de estar no palco. Que ele nem percebeu o rosto de sua mulher, de seu filho e da nora. Todos estavam constrangidos, e a nora tentou mudar de assunto.
 Porque adolescentes sao infratores?
Como Roberto decidiu que seria um inflator para ser amado? 
Porque as pessoas matam por amor?

Wednesday, October 30, 2019

Amizade na Beleza e na Feiura

Duas amigas estão num barzinho no sábado a tarde comendo uma feijoada e tomando uma caipirinha.
- Silvia, eu quero ficar bilionária como a Oprah Winfrey. Ter poder  sobre o meu homem como a Michelle Obama. Arrasar como a Beyoncé.  Maria fala com uma voz fantasiosa.
- Voce quer  ser BEYONCE mas não passa de uma Carolina  de Jesus. Diz Silvia fazendo uma boquinha com o nome Beyonce. E continua. Nem Carolina, porque Carolina escreveu livros. E voce? O que voce fez?  
E se a gente fosse Bonita o que gente Faria? E se a gente fosse Bonita o que a gente seria? E se a gente fosse Bonita o que a gente teria?  Silvia coloca a pergunta na mesa, de certa forma querendo achar uma justifica.
- Olha Maria, acho bom a gente comer antes que a comida esfrie. A braveza na voz da Silvia, tinha o som da raiva, com a melodia do conformismo.
- Será que  a gente teria sofrido assédio sexual de um homem poderoso de Hollywood? Será que a gente se tornaria uma princesa infeliz sofrendo de bulimia? Sera que a gente teria empregadas domesticas para atazanar? Maria continua questionando com a voz baixa mas com o som gritante, angustiante e sedutor do desejo.
- Uma coisa eu sei com certeza, escapei do destino da minha bonita amiga Glorinha. Silvia responde orgulhosamente,
- Que Glorinha? Eu não conheço nenhuma Glorinha. De quem voce esta falando? Maria pergunta curiosa.
- Ok você esta com tempo Maria? Silvia pergunta, louquinha para provar o que não tem prova.
- Não o meu principe encantado esta me esperando, para fazer uma massagem. Responde maria sarcástica.
- Então eu vou te contar a minha historia de Silvinha Feiosa
- Garçom mais uma capinha por favor. Pede Maria
Quando eu morava em Mauá, eu tinha uma amiga inseparável. O seu nome Glorinha, uma descendente de italianos. A gente ia para escola juntos, tomávamos banho juntos e conversávamos.
A minha mãe dizia que não sabia que tanto assuntos, tínhamos para conversar.
- Ok! O que vocês conversavam Silvia. Quantos anos vocês tinham? Perguntou Maria ja envolvida na historia.
- Uns 14, 15 anos, estávamos no ginásio. Respondeu Silvia tentando lembrar os detalhes. A gente conversava sobre Meninos.
-Hum, dona Silvia apaixonada, conta pra mim. Fala maria, saboreando a comida.
- Na verdade, eu não estava, apaixonada, gostando, on tendo interesse em qualquer garoto. Era como se eu soubesse e aceitasse que romance não era para uma garota com a minha aparência.
A Glorinha roubava todas as atenções dos garotos.
-Então a sua amiguinha era a sua rival? Perguntou maria, querendo entrar no conflito da historia.
- Não! Eu não me importava que ela tivesse mais atenção dos garotos. Isso era  normal, afinal ela era bonita. A gente simplesmente sabe que é o que acontece e continuará acontecendo, dia, após dia, dia após noite, os meninos se encantaram com a beleza. Eu compartilhava com a Glorinha as suas aventuras, conversávamos sobre as cartinhas, que ela recebia, as olhadas, as paqueradas. Sem ao menos questionar, porque não eu? Que era assim que era, e tudo bem. Justifica Silvia.
-Pelo jeito voce não mudou muito não.
- Na periferia, o cinema, o teatro, tudo acontecia na tela da Globo. A Rosinha era a estrela da rua, da escola, que se apaixonou pelo galã 
- Quem era o Galã de Novela?
- Era o meu vizinho, ele morava no fundo de minha casa. E eles começaram a namorar. A Glorinha teve mais sorte, que sua irmã, que trabalhava de empregada,  ela se engravidou do patrão. A patroa madame, fez o aborto dela, e depois do aborto ela foi demitida. Fala Silvia com voz de pena
- Garçom por favor o que vocês tem de sobremesas.
- Eu morava numa casa de aluguel, que era em frente da casa de blocos da Glorinha. Mas eu me mudei para dois quarteirões pra frente. E ai a nossa amizade foi interrompida.
- Dois quarteirões? Pergunta Silvia confusa.
- Eu me mudei para favela. E quando voce muda pra favela, você perde todas as honrarias do dia para noite, sem explicações. Apesar da pobreza de todos na comunidade. A gente pode ter o mesmo poder econômico, mas morar na favela, nos desqualifica. Eu me tornei desqualificada,  é como que você pegasse uma doença contagiosa, que pode matar, e todos passam a ter medo de manter o contato com você e pegar a sua doença.
- Uau. Isso me parece estupidez. Conclui Silvia.
- Pode ate ser, mas as coisas são assim e a gente não questiona, apenas vive, sem saber que la fora a vida existe. Ela era bonita, eu aceitava, depois mudei pra favela. Eu e ela simplesmente aceitamos o fato.
E voce continua aceitando os fatos. Diz Maria balanço a cabeça de lado para o outro.
- Na periferia voce vai construindo a sua casa aos pouquinhos. Normalmente um cômodo, depois de uns anos, você pode construir outro cômodo, quando um dos filhos casa, a família constrói mais um cômodo, e o novo casal passa a morar neste cômodo. Então a familia da Glorinha construiu um cômodo a mais em cima do cômodo, tipo Sobradinho, e este novo cômodo, passou a ser a casa da Glorinha. A minha família mudou para o interior, para um conjunto residencial na cidade de Piracicaba. No momento perfeito, mudamos.
- Porque perfeito " Silvinha Feiosa"? Maria questiona utilizando o auto apelido que a Maria havia se dado
- Porque mudamos no Domingo e o nosso barraquinho no morro, caiu em um deslizamentos  de terra, na próxima quarta, mas isso já é  outra história. Passado uns anos, eu retornei a cidade de São Paulo. Eu fui com o meu parceiro visitar a Glorinha. Eu não tinha mais o endereço, mas não são so as casas que levam anos para serem construídas na periferia, a periferia normalmente continua igual por anos.
A Rosinha estava no mesmo cômodo, encima da casa dos pais. E o seu entretenimento continuava sendo a tela da globo. A casa dos pais, agora tinha aumentado, porque os irmãos tinham casados e construído mais cômodos no quintal. O Niro não estava, ela apenas um filho, em torno de 10 anos.
- Uau, vocês devem ter passado o dia colocado a conversa em dia.
- Ao contrario, não teve conversa. Eu havia aprendido que existia um mundo além da tela da globo. E agora nem televisão eu assistia. Eu não contei nada, exatamente nada, do que eu havia vivido, porque eu sabia que qualquer historia que eu contasse, seria inconveniente para a realidade da Glorinha. Apesar dos anos  passados, eu ainda gostava muito dela. A minha segunda visita a Glorinha, eu fui junto com o meu filho, que estava em torno de dois anos de idade, havia transcorrido mais ou menos 9 anos desde qu visitei a minha bonita amiga Glorinha. Em frente da casa, tinha uma garota grávida. Então decidi perguntar a jovem com barrigão. Se ela poderia me informar em qual casa que minha bonita amiga Glorinha morava.
- Ma voce não disse que a periferia não muda. Desafiou maria
- Surpresa! A garota grávida era a mulher do filho da Glorinha. E o bebê na barriga seria o futuro netinho da Glorinha. E a jovem garota e seu filho também moravam la. A casa tinha sido aumentada.
Eu fiquei feliz de ver a minha grande amiguinha de adolescência. Eu agora tinha tido uns baques na vida, mas mesmo assim, não falei nada a respeito de minha vida. Porque a Glorinha continuava exatamente vivendo a mesma vida de quando éramos adolescentes, somente com filho, nora e agora um netinho a caminho. E naquele momento, eu senti uma gratidão por não ser bonita como a Glorinha. Provavelmente se eu fosse bonita como a Glorinha. Eu estaria assistindo TV, limpando a casa, e deixando a vida passar na minha frente. Diz Silvia pensativa
- Você ja pensou que voce poderia estar feliz. Agora tem o Facebook. Comenta Maria completamente envolvida na historia da amiga.
- Olha eu não sou superior a minha bonita amiguinha. Eu não fiquei rica, eu não mudei o mundo.
Agora que estou  de férias. Estou pensando em visitar o meu passado, eu gosto de visitar o meu passado, eu somente não quero permanecer lá.
- Qual foi a ultima vez que você a visitou? pergunta Maria
- Agora fazem uns 17 anos. Eu mudei para os Estados Unidos, eu me casei, o meu filho cresceu, está na universidade. Eu tenho várias histórias, que eu gostaria de compartilhar com ela, mas eu a amo, para fazê-lo. Sera que ela já tem bisnetos?
- Sera que a beleza foi responsável? Voce realmente acredita nisso Silvia?
- O que é beleza e o que é feiura Maria? 
- Silvia qual foi a pessoa mais feia que você já conheceu? Maria pergunta imediatamente
- A pessoa mais feia que eu já conheci? Hum.. A minha irmã, um dia chegou em nossa casa, nos falando a respeito do marido de sua professora da quarta serie, a dona Neuza: "- Meninas, vocês precisam, ver o marido da dona Neuza, ele é muito feio, feio mesmo, parece um macaco."
Nós somos sete irmãs, e todas nós, temos a nossa opinião, chegamos a conclusão que não existiria alguém tão feio, como a minha irmã estava tentando nos convencer.
Um dia minha irmã, nos falou, vem ver o marido da dona Neuza, ele vem vindo. A gente correu para a frente do barraco, para ver o homem que estava passando em frente. A nossa casa ficava no alto do morro, tinha que subir vários degraus para chegar a porta, isso nos permitia ter uma vista panorâmica da rua.
Meu Deus do Céu! A minha irmã tinha completa razão, ele era o homem mais feio, que eu havia visto em toda minha vida.
A minha irmã, se sentindo gloriosa, com a nossa confirmação. Teve que comentar: - "É eu falei, mas você não acreditaram."
Passado um certo tempo, dona Neusa veio nos visitar. Ela perguntou a minha mãe, se uma das filhas de minha mãe poderia trabalhar de empregada para ela.  Como eu estava desempregada, lá fui eu, trabalhar para dona Neusa.
A dona Neusa trabalhava como professora o dia todo. De manhã em uma escola, e a tarde em outra escola. O seu marido era mecânico e trabalhava numa das fábricas de automóveis na região. Eles tinham um casal de filhos, uma menina de seis anos chamada Carlinha e um menino de dez anos, chamado Washington. As crianças foram sortudas porque na mistura dos genes. A feiura não os pegou, eles eram bonitos. A dona Neusa era bonita.
Bom! Eu teria que limpar a casa, lavar, passar, cozinhar, e me responsabilizar pelas crianças, em todos os sentidos, e enviá-los a escola. 
O marido da dona silvinha se chamava Pedro. O seu Pedro trabalhava, uma semana na parte do dia, outra semana na parte da noite. 
A semana que o horário dele era noturno, ele almoçava comigo e  as crianças. Eu repetia a mesma ladainha toda vez que iamos almoçar. A ladainha no qual, ele dizia que preferiria ser um cachorro americano,  que ser brasileiro. É ele preferiria ter nascido um cachorro na América. Além disso, as roupas dele, com exceção dos macacões do trabalho, tinham que ser todas lavadas em lavanderia, jamais em hipótese nenhuma, eu deveria lavar as roupas dele. Isso era mais difícil, para mim entender, do que a questão de ser cachorro, porque para mim as roupas dele, eram ridículas. Ele usava aquelas roupas do começo dos anos setenta, que meu pai também havia usado, quando estava em moda, mas que os homens sensatos haviam abandonados. Mas por alguma razão, o seu Pedro continuava usando aquelas calças de boca largas, acessórios como cinturão e a corrente de medalhão. Ele se vestia como a dupla de  Cantores sertanejos Jose rico e Milionário.
- Nossa nessa época eu nem tinha nascido! Maria comenta, como que tentando lembrar a amiga Silvia da sua presença.
Ele não era cantor, mas parece que foi usando esse álibi, que ele conquistou dona Neusa.
Eles eram mineiros, porem o seu Pedro havia migrado para Sao Paulo. E quando ele retornava  a cidade natal, ele ia com roupas bonitas e elegantes. Dizia que tinha uma banda de música e que estava muito bem de vida em São paulo. Provavelmente dona Neusa sonhava em ter uma vida melhor, acreditou na historia dele, ou quem sabe, ela se apaixonou. É possível se apaixonar pelo homem mais feio do mundo?
Mas enfim ao se casar ela foi para São Paulo com ele, apenas para descobrir, que ele era um contador de histórias(mentiroso), e que as roupas que usava, eram roupas emprestadas dos colegas. Eles foram morar na periferia de Sao Paulo, num cômodo de aluguel, no fundo de uma casa, dona Neusa teve que arrumar emprego, para poder mante-los. Porém o aluguel desta casa, terminou na delegacia. O seu Pedro começou a ter relações sexuais, com a esposa, do dono da casa. E o caso terminou na delegacia. Dona Neusa disse que o delegado deu um conselho para ela: 
-" Filha abandona este homem, ele não presta, volta para sua família." Mas como você pode perceber, ela não ouviu o conselho do delegado. A dona Neusa adorava me contar esta história, como dizendo, você vê o quando  tive que trabalhar, para construir tudo que tenho agora. Um queria ser cachorro nos Estados Unidos, o outro a mártir  do cachorro?? 
- Como assim" Pergunta Maria
- Eu não tenho a resposta para muitas coisas, e por acaso esta; é mais uma coisa, que não possuo a resposta. Quando somos empregadas numa casa, sabemos de tudo. Se alguém quiser saber a verdade dos moradores de uma casa, pergunte a empregada domestica. 
Logo descobri porque o dinheiro do seu Pedro não podia contribuir muito para o orçamento da família. Pelo jeito ele continuava pulando a cerca, e ao pular a cerca ele gastava principalmente com presentes. Apesar de saber de tudo que se passa numa casa, a empregada sabe manter silencio, como a figura dos três macaquinhos que tapam a boca, os olhos, e os ouvidos. A empregada, nada ouve, nada vê e nada fala.
Um dia eu estava passando roupa, as crianças ainda na cama. Quando um corpo masculino, me abracou por trás. Que susto! Oh isso mesmo, você já sabe, era o homem maio feio do mundo.
- O que você fez? perguntou Silvia com uma voz de curiosidade e nojo.
É  incrível, como a sorte aparece na hora certa, em seguida Washington sai do quarto e o seu Pedro, tira aquelas mãos hediondas e  nojenta de mim.
Agora eu tinha mais um problema, não apenas de me calar, mas de me salvar. O homem ficava uma semana toda em casa. 
- O que você resolveu fazer? pergunta Maria
- Eu resolvi fazer tudo  na parte da manhã quando as crianças estavam em casa, e ele ainda dormindo, e depois do almoço, ficar no quintal lavando as roupas sujas, Cantando: LAVA ROUPA TODA DIA QUE AGONIA... 
Os macacões de trabalhar dele, eram  cheio de graxas, mas eu conseguia tirar tudo. Eu ficava no tanque, que era encostado com a cerca da vizinha, a vizinha não tinha ideia, mas ela era a minha segurança. quando ele saía, eu ia para dentro da casa fazer o meu trabalho, esperando que ele demorasse a voltar. Isto não era tão simples, quando dona Neusa quando retornava do seu trabalho, ela ficava reclamando do meu serviço. 
- Será que ela não percebia, que havia uma diferença nos seus serviços, na semanas que o marido dela estava de folga? Questionou Maria
- Patroas. Mas enfim, o meu pai comprou uma casa no interior do estado, isso significava que eu iria partir. Dona Neusa um dia chegou com uma calca jeans para mim, eu tinha 16 anos, e como todo mundo eu amo ganhar presentes. Ela me deu o presente porque ela estava tentando me convencer, ha não mudar com a minha família. Se eu ficasse com ela, ela iria me dar tudo, eu iria ter uma vida melhor do que com a minha família. O seu Pedro que comprava presente para mulheres, me deu uma camera fotográfica. A unica coisa era que, neste embalo de empregada, eu não podia dizer para dona Silvinha do presente que seu marido me deu. 
Um dia dona Neusa, chega em casa no meio da tarde, muita brava, procurando por documentos. E dizendo que agora, ela iria se separar. Ela havia descoberto algumas das historias do seu Pedro. Ela achou algum bilhete na jaqueta da roupa dele. Como ela demorou tanto tempo para descobrir? 
Como eu percebi que ela realmente estava decidida a se separar, eu contei a minha historia, o porque da casa não estar do jeito que ela queria, quando retornava do serviço.
Ela ficou chocada, porque eu não contei antes, patati-patatá...
Eu me mudei, passados uns dez anos, voltei a cidade.
 - No mesmo dia que você foi visitar a Glorinha? pergunta Maria
- Isso mesmo no mesmo dia, a dona Neusa continuava la, mas o seu Pedro também, ela não havia se separado do homem mais feio do mundo.
Eu fiquei pasma, não tocamos no assunto, somente que ela continuava casada. Naquele momento me arrependi de ter contato para ela a verdade,  mas aliviada do homem mais feio do mundo não estar em casa. Onde ele estava? Eu ate podia imaginar... 
Alguns anos depois quando voltei mais uma vez, para visitar o meu passado, decidi que era melhor não visitar dona Neusa e o seu marido, o homem mais feio do mundo. Provavelmente dona Neusa não concordara comigo. O que é feiura e Beleza?
- Um conceito como poder e riqueza. Fala Maria
Mas você acha que a gente pode ter esses conceitos?  Silvia pergunta, não esperando resposta, mas feliz por ter uma amiga que pode ouvi-la.








Meu Filho! O Maior Tesouro que Recebi da Vida!


Você completou 20 anos. E eu fiquei pensando sobre o impacto que você teve em minha vida.
Eu cresci dizendo que nunca me casaria e nunca teria filhos. Mas porque eu não queria me casar e ter filhos?
Na década de sessenta, no Brasil, os jovens tinham a liberdade de escolher os seus futuros parceiros, e eles casavam por amor.
Ma o casamento  é uma instituição social, e todas instituições tem funções e regras e poder. Na instituição do casamento o homem tinha a função de trabalhar para sustentar a família, e a mulher tinha que fazer o homem feliz e ser uma boa mãe para os seus filhos. Uma das coisas fundamentais para fazer um homem feliz, era ser uma boa cozinheira. A jovem já estava preparada para casar quando ela soubesse cozinhar. Talvez quando eu diga cozinhar, você pense colocar um miojo num microondas e a refeição estará pronta em dois minutos. Naquela época não se tinha água encanada, fogão a gás, ou arroz empacotado. Cozinhar era um trabalho sacrificatório e demorado. Por exemplo para se fazer um simples arroz. A mulher tinha que primeiro bater o arroz no pilão, depois separar o arroz da sua casca, e para lavar o arroz, a mulher tinha que tirar a água do poço. E para cozinhar este arroz a mulher tinha que cortar a lenha, e fazer o fogo no fogão a lenha.
O homem pobre  tinha apenas um poder na sociedade, ele tinha o poder sobre a esposa. Todas mulheres sabiam que  fazer um homem feliz, era ser uma mulher obediente ao homem.
Os meus pais começaram a fazer parte da instituição casamento  no ano de 1960, no sertão do Mato Grosso do Sul.
O meu pai trabalhava na roça e a minha mãe tinha um bebe por ano. Quando minha mãe estava gravida de mim, ela tinha duas filhinhas para cuidar, uma de dois aninhos e outra com um aninho.
Num final de tarde, o meu pai encerrou mais um dia de expediente, como terminava todos os dias, cansado e faminto. Ele caminhou para quase com o corpo cansado sendo arrastado por um pé fatigado e uma mente focalizada na comida. Quando ele se aproximou da casa, era como se ele estivesse se aproximando de um oásis no deserto, ao entrar em casa, ele descobriu que a minha e não  tinha feito o jantar. Todo cansaço e fome se transformaram em raiva, a casa  não parecia mais um oásis no deserto, mas uma verdadeira miragem, naquela vida cruel de trabalhador. Ele perguntou como um sultão raivoso pergunta aos seus escravos: "Cade a Janta?"
A minha e, que já havia descoberto que casamento não era um conto de fada, mas fraldas sujas. Depois de um dia "de cão" com uma barriga enorme para carregar, e duas pequeninas que tinham cus, que deviam ser limpados, fazer o marido feliz, neste momento ela tinha falhado na missão maior do casamento. Ela respondeu se sentido sozinha no mundo, que era porque não-se tinha lenha cortada para colocar no fogão.
Enquanto o meu pai batia a lenha com  a força da raiva, fazendo um barulho estrondoso. Era como se a raiva se manisfestasse em cada batida do martelo.

A minha e tapou o ouvido, chorando arrependida de ter se casado, arrependida de ter tidos filhos.  Naquele momento, ali na barriga de minha mãe, eu tomei a decisão que iria influenciar o meu futuro. Eu jamais me casaria e jamais teria filhos.
A sua avó sempre dizia; que nós somente iriamos valoriza-la, quando nós nos tornássemos e também. Isso somente reforçava o meu pensamento de que ser mãe era algo sacrifícioso.
Mas felizmente, a nossa vida não é feita apenas de planos, mas de uma conjunção de fatores.
E há vinte anos atrás você nasceu, e ao você nascer, eu me tornei e.
Você  me conquistou, já na primeira vez, que te peguei no meus braços. naquele momento, eu descobri o que era o amor incondicional.
Ao nos tornamos e, não nos tornarmos tudo que deveríamos ser, como por exemplo ser segura ou confidente.
Vamos começar pelo seu nome. Eu gostaria de lhe dar o nome de Rainer, mas a minha insegurança, não me permitiu, lhe dar o nome que eu gostaria. Eu tinha pensamentos do tipo: " O que os outros irão dizer, se eu der um nome alemão para o meu filho."
Então o seu pai escolheu o seu primeiro nome, e eu o segundo nome. o que acabou se tornando interessante; a representação dos seus antepassados: Iuna (antepassados nativos) Akil (antepassados africanos) e sousa (antepassados portugueses), faltou a representação judaica,
E o souza que era com Z se tornou Sousa com S. Mostrando que o seu espirito tinha um carma com dinheiro, mas que nasceu com a determinação de ser um doador para humanidade.
Apos o seu nascimento, eu comecei a me identificar com as mães mundiais.
Quando eu vi nos jornais, que alguém havia cometido algo negativo, ou que alguém havia feito sucesso, o primeiro pensamento que vinha a minha mente, era sobre como a mãe estava se sentindo.
Na psicologia as es são as culpadas da miséria dos filhos. Mas a psicologia não da atenção para casos como do Trevo Noah. Que disse ter se tornado um sucesso graças a e.
Que e eu sou? Eu não sei e acho que ser mãe, apesar de ter um arquétipo, não tem definição, no fundo ser e e ser inexplicável...
Eu me perguntava, porque não se tinha escola para futuros pais. Agora eu sei porque. Porque não se pode ensinar , o que não é  ensinável.
Ser e e uma experiencia unica, sem roteiro a ser seguido. Quando planejamos, parece que a vida começa a rir de nossa inocência.
Ao fazer a sua numerologia, eu descobri que você tinha o desafio do numero 1
Eu acreditei que a numerologia estava equivocada, isso não faria parte do seu destino, já que você morava comigo e não com o seu pai. Como você sabe, a numerologia estava correta e eu enganada.
Na distancia rezei com a determinação que voce se tornaria um líder da Paz Mundial.
Agora que você esta na Soka, eu me sinto muito feliz. Porque a Soka foi criada por Daisaku Ikeda, que mesmo sem saber de minha existência, me guiou em momentos que eu não sabia que direção seguir, em um desses momentos, eu estava desesperada com o coração acelerado, pois não sabia como pagaria o hotel que eu estava hospedada em Campina Grande ou como retornaria para São Paulo. Eu li uma mensagem dele que dizia. ."Não importa os problemas o importante é  ser Feliz. Eu relaxei,  decidindo dormir em paz.
No outro dia tudo se transformou como magica. E aquelas mudanças do dia seguinte contribuíram para você estar na Califórnia agora.
O que será que os próximos 20 anos reserva para voce?
Eu não sei
mas nesta data que você completa seus primeiros anos neste palco do planeta Terra. A minha mensagem é :
 Você deve planejar o seu futuro, mas  surpresas, não planejadas acontecerão, mas independente dos resultados, gloriosos ou sem glorias. Escolha ser Feliz.
Escolha amigos que lhe direcionarão no caminho correto, e que suportam o seu brilho.
Anos atras quando eu li o presidente Daisaku  dizer que não existia missão mais nobre do que ser líder do kossen Rufu. Eu fiz uma lista de coisas mais importantes em minha mente, com o passar dos anos a lista foi diminuindo, diminuindo , diminuindo...
Seja um grande líder do kossen rufu. Eu tenho certeza que todas as es do mundo somente desejam uma coisa. Que os seus filhos sejam Felizes.
Alem de desejar que você seja a pessoa mais feliz do mundo, eu desejo que você abra a porta para outros também, descobrirem o caminho da felicidade. Quando a sua jornada neste palco da vida terminar. Você tenha o orgulho de ter sido um líder da Felicidade no planeta Terra.
Eu estou excitada pelos próximos 20 anos.
Eu  me sinto grata por você ter me escolhido para ser sua e.
Você é o maior presente, o maior tesouro que a vida me deu.
Eu te amo! Você provou para a minha criança e jovem interior que eu estava enganada.
Ter filhos é a melhor coisa do mundo.

Wednesday, August 28, 2019

Deusa Lakshmi

A Deusa Lakshmi é a esposa do deus Vishnu e personificação da beleza, da fartura, da generosidade, da riqueza e da fortuna. É a deusa da boa sorte. Diz a lenda que se voce quiser prosperar repita o mantra da Deusa Lakshmi.

Om Shreem Mahalakshmiyei Namaha

Nataraja ( O Senhor da Dança), é uma representação do deus hindu Shiva como o dançarino cósmico que realiza sua performance divina para destruir um universo fatigado e realizar os preparativos para o início do processo da Criação por parte do deus Brahma.
A dança de Shiva em Thillai, o tradicional nome para Chidambaram, constitui o tema para todas as representações de Shiva como Nataraja, forma representativa também conhecida como Sabesan, que deriva de Sabayil aadum eesan em Tâmil, significando "O Senhor que dança no palanque". Tal forma está presente na maioria dos templos de Shiva no sul da Índia e é a principal representação da divindade no Templo Thillai Nataraja, em Chidambaram.
A escultura é normalmente feita em bronze, com Shiva em posição de dança, levantando a perna esquerda (ou, em casos raros, a perna direita), envolta em auréola de chamas e equilibrando-se sobre um demônio ou anão (Apasmara) que simboliza a ignorância. É um importante e famoso símbolo escultural e cultural da Índia.
As duas formas mais comuns de dança de Shiva são o Lasya (a forma suave de dança), associada à criação do mundo, e o Tandava (a dança violenta e perigosa), associada à visão de destruição de uma cosmovisão fatigada de perspectivas e estilos de vida. Em essência, o Lasya e o Tandava são dois dos aspectos da natureza de Shiva: destruir a fim de criar e derrubar a fim de construir novamente.





Qual é a Sua História?

Eu tenho uma loja, do lado da minha casa, numa pequena cidade sulista americana.
Hoje antes de abrir a loja, fui na casa da minha vizinha Chris. 
Chris nasceu em berço de ouro, estudou numa das melhores universidades do pais, morou na Alemanha, no Chile e em Los Angeles. Ela tem mais de 70 anos, é alta, bonita, e uma expert in artes e antiguidades. Hoje Chris estava totalmente  negativa em relação a vida. Eu ria muito com os problemas sem soluções da Chris e falei sorrindo:
- “ Chris eu irei gravar um vídeo de você falando. Para você assistir, e perceber sua negatividade em relação a tudo”. 
- "Thillai vá embora". respondeu a Chris mas que zangada
Hora de abrir a loja, fui....
Mal abro a loja,  chega minha campeã de negatividade: A Ellen esta com mais de 50 anos, tem olhos azuis, um curto cabelo loiro, que agora ela tinge para encobrir os fios brancos, ela usa salto, e maquiagem o dia todo. Ellen nasceu de um pai alcoólatra que abusava da mãe. Apesar de Ellen morar a meio caldeirão da loja, o marido dela que é  veterano da Guerra do Vietnã e esta com câncer, dirige ela até a loja, e a fica esperando no carro. Ellen não pode dirigir, a policia a pegou dirigindo com excesso de álcool. Ellen ama me repetir, "suas tristes histórias", já sei de trás para frente e de frente para trás.
Eu já convidei Ellen para vir as minhas meditações, varias vezes, porem ela nunca vem, é  somente quer me contar suas historias tristes.
Mas hoje eu não queria ouvi-las. A levei para setor de livros, as cadeiras da meditação, ainda estavam la. Mas Ellen não queria meditar somente falar sua história triste. Eu pequei a mão dela e falei:
- " Vem comigo." Nós fomos no departamento de brinquedos, pequei uma bola de futebol  e falei:
- “ Vamos jogar bola uma para outra e cada vez que  jogarmos, falaremos: - " I'm Beautiful!"
- Thillai na sua língua." me pediu Ellen
-  ok " Eu sou muito feliz!"  Ela começou a repetir a frase em  português direitinho.
Nos divertimos muito jogando a bola repetindo, eu sou muito feliz.
Quando Ellen foi embora, ela não partiu sozinha, a felicidade foi com ela.
E você qual é a sua história? Historia cheia de negatividade ou positividade? Historia Feliz ou triste?
A sua historia esta  construindo seu futuro. A sua historia contem palavras. Palavras são coisas. Você tem que ser cuidadoso, tome cuidado em como você chama as pessoas, usando pejorativos raciais, usando pejorativos sexuais e tudo que é ignorante. não  faça isso. Algum dia nós seremos capazes de medir o poder das palavras. Eu penso que elas são coisas. Elas ficam na parede, no papel de parede. Elas ficam no tapete, no seu estofamento, nas suas roupas e finalmente em você." Maya Angelo