Friday, May 22, 2015

Ayahuasca! O Que Da a Luz! Deve Manter o Fogo.


Eu estava aflita e desesperada com a ruína do meu mundo. Neste difícil momento, coincidentemente, eu me encontrei com o Xamã  Inti Roman no centro velho de São Paulo. Ele me disse:
-  " Thillai  o Ayahuasca esta te chamando!"

No próximo sábado, numa noite de estrelas, eu  fui ao ritual do Ayahuasca, num local próximo da querida Avenida Paulista. 
Ao chegar ao ritual eu vi que o Roman havia feito uma belíssima fogueira, e que havia mais 16 pessoas presentes no ritual. A fogueira me fez recordar minha infância numa fazenda  com onças pintadas, céu estrelado, muito mato verde e dois rios, no sertão  do Mato Grosso do Sul. La, as minha noites eram em  volta de fogueiras, ouvindo  histórias ao som do violão, dormindo embalada em felicidade.
Agora uma mulher na idade da loba. Ao chegar ao ritual eu disse ao Roman:
- " Eu quero saber porque estou passando por tantos problemas."
- " Thillai  é a vida!" Ele me respondeu com um sorriso sábio nos lábios.

Eu te convido para você vir comigo nesta viagem xamânica!

O ritual começou. E logo o Ayahuasca me mostrou como eu construí meu Karma negativo.
Eu me vi numa vida passada, onde eu era um menino no continente africano. Eu estava brincando com meu melhor amiguinho, e sugeri que nós pulássemos  de um lado para o outro de uma grande cachoeira.
Eu pulei primeiro, conseguindo atravessar para o outro lado, mas na vez de meu amiguinho pular, ele não conseguiu atravessar. Eu soube que se desse a minha mão a  ele; nós dois morreríamos. Ele caiu na cachoeira!
Depois eu me vi como um poderoso clérigo da igreja católica na Europa medieval, e tinha um homem que estava desafiando o meu poder. Então criei acusações contra ele.
Quando os soldados o colocaram na fogueira. Eu fiquei sentado em minha cadeira  poderosa, usufruindo o prazer de velo se queimando, evaporando de minha vida.
Em outra vida eu era uma bailarina na Índia.
E ali sentada a volta da fogueira, me iluminei com a sabedoria milenar do fogo rei!
Ele começou a me explicar:
A nossa vida é como uma fogueira. Para fazermos uma fogueira nós precisamos colocar lenhas,  a lenha  representa os nossos desafios diários.

Os Fogaréus

Os fogaréus só precisam de pouca lenha. A vida de uma pessoa comum, somente necessita de poucos desafios.

As pessoas que vivem vidas fogaréus: são os "Ze Ninguém". Pessoas que levam vidas rotineiras, entra ano e sai ano, a vida continua na mesmice, a mesma cidade, o mesmo emprego, os mesmos amigos, a mesma religião, as tradicionais e confortáveis crenças. Essas pessoas ficam acompanhando a vida dos grandes realizadores pela mídia. Elas acreditam em tudo que os "poderosos" dizem. E seguem as regras do sistema mesmo que estas regras seja contra elas.

As Fogueiras Medianas

As fogueiras medianas, representam as pessoas que um dia sonharam, realizaram algo e estão felizes com estas pequenas realizações. Um dia eles foram os rebeldes, os hippies. Eles aprendem as regras, e jogam o jogo do sistema. Eles admiram as pessoas realizadores. Eles sonham em um dia ser como uma delas. Mas não querem abandonar a zona de conforto. Nem pensem em arriscar o que construíram "com tanto sacrifício". Eles morrem com mais frequência de doenças do coração ou tem doenças cronicas como diabete, ou dor nas costa. Enquanto acreditam que os medicos e a nova tecnológica irão faze-los viver mais.

As Fogueiras Enormes

As fogueiras enormes tem grandes lenhas, algumas veem com pregos que o fogo não queima. Elas representam as pessoas que deixam o seu nome marcado na historia do planeta. .Essas são as pessoas com coragem de mudar,  de enfrentar  novos desafio. Onde outros veem problemas, elas veem oportunidades. 
Mas porque algumas fogueiras apesar de grande, se apagam logo?
 Tem vezes que o que a pessoa faz, não da mais prazer.  Mas elas não tem coragem de abandonar o seguro, pensam nos fãs, na família,  nos  compromissos. E não seguem o coração (espirito), preferem a responsabilidade de continuar sendo a grande figura (fogueira) para os outros. No dia que o Ayrton Senna morreu ele nem queria estar naquela corrida.
A água da grande chuva pode destruir completamente o fogo de uma fogueira. Porem antes da chuva cair, o tempo começa a mudar, muitas vezes ficando completamente escuro. No momento que nós percebemos os sinais da mudança meu amigo é hora de ouvirmos nossa intuição, e seguir o nosso coração.
Noutras vezes a chuva cai fraquinha, não podendo nos destruir completamente, apenas diminui nosso fogo, para nós nos recolhermos, para nos prepararmos para os novos desafios.
No final o Inti Roman me questionou:
- " E ai Thillai como esta se sentindo em relação aos problemas da vida? "
- " Roman ao chegar aqui, eu não estava aceitando meus problemas. a chuva de granito estava destruindo o meu pequeno fogo. Agora sei que é hora de deixar o que construí até agora e partir para novos desafios que virão. Agora eu me sinto feliz e agradecida a todos os meus problemas ou melhor dizendo desafios. 
Deste de criança eu tenho um sentimento de que nasci para ser uma grande fogueira. Eu cheguei a ser uma fogueira mediana, sei que colaborei para profundas mudanças em vidas de pessoas que talvez nem nascerão ainda. Mas aquilo que um dia já tinha sido minha razão de viver, já não estava mais me satisfazendo. Neste momento estou me sentindo como uma pequena menina, tendo que recomeçar do ponto zero. A chuva de granito apagou grande parte do meu fogo, mas não o destruiu. E agora estou pronta para recomeçar com novos desafios. Estou reaprendendo a falar e entender uma nova linguá. Eu estou descobrindo um mundo novo.
Uma grande líder sempre terá grandes desafios, e apreciara a oportunidade de aprendizagem e crescimento. E eu estou decidida a iluminar e aquecer o mundo com o meu calor e a minha luz.



No comments:

Post a Comment