Google+ Badge

Monday, June 29, 2015

Brasil e Estados Unidos: Eu Amo As Pessoas Que Me Fazem Rir

O Tadeu uma vez me disse que a musica :
/" A arte de sorrir mesmo quando o mundo diz não..."/ de Maria Bethânia; sempre faz ele se lembrar de mim.
Eu tive um namorado:
Ele não podia ser feliz!
Ele não queria ser feliz!
Ele não merecia ser feliz!

Por mas lindo que tivesse sido  o tempo que passamos juntos. Alguma coisa tinha que acontecer para ele ficar jangado. Era tão comum que eu já ficava aflita antes do encontro pensando:
" Oh meu Deus o que ira acontecer hoje?" Tudo tinha que terminar em stress.
Eu tive outro namorado que me dizia:

" Nós não somos um casal normal, porque nós não brigamos!"
Para ele casal normal era casal que brigava. Então depois de um bonito tempo juntos. Começava a ladainha de que teríamos que brigar para sermos normal...
Eu tive um  namorado, que quando estávamos juntos, eu estava sempre feliz, dando gargalhadas. A cantora fortuna sempre que nos encontrava dizia:

- " Vocês são o casal mais bonito que já conheci!" . Mas ele achava que minhas risadas era:
"Porque eu havia tomado cerveja!"
Porque a felicidade nunca é compreendida?

Porque a infelicidade sempre é bem vinda?
Se entro em um ambiente sorrindo. Alguém logo pergunta.
_ " O que foi ? Você viu um passarinho verde?"

Que bom se a infelicidade começasse a incomodar tanto. Que ninguém nunca aceitasse a tristeza.
Pra mim sorriso é sinal de inteligência e de competência; de escolher criar a felicidade agora, e escolher os momentos felizes do meu passado que ainda vivem na minha mente e corpo.
Quando eu sorrio de tudo. Eu faço tudo melhor. Eu crio tudo alegremente.
Rir produz endorfinas.
Eu irei ser feliz não importa o que aconteça. Eu me sinto feliz não importa o que, me sentir bem é contagioso. Eu amo ser brincalhona. Eu sempre estou bem e livre para possuir qualquer coisa que me interessa.
A felicidade me interessa.Eu mereço um parceiro que deseja estar feliz comigo e eu mantenho esse cometimento.
A felicidade esta a disposição de todas as pessoas
Agora tenho a competência de escolher amigos felizes.
Eu escolho viver cercada por pessoas felizes.
Eu também sou espelho da expressão das pessoas a minha volta, se as pessoas a minha volta são felizes eu me torno feliz.

Agora eu escolho escolher um namorado feliz que não precisara de nada para ser um marido feliz!
Outro dia eu fui num festival de curtas na cidade de Baltimore com o meu amigo Tom.
O Tom atuou em um  filme que estava no festival de filmes.

Nós chegamos atrasados e o cinema estava lotado, não havia mais lugar para nos sentarmos,  já havia muitas pessoas em pé.
Olhei procurando por um lugar no qual eu poderia ficar para assistir aos filmes.
Eu vi uma parede  no fundo  da sala.
Então caminhei para o fundo da sala.

Porem ao chegar no fundo da sala, percebi que eu havia me enganado; não havia uma parede, no entanto eu vi algumas cadeiras vazias, naquele fundo escuro da sala e me sentei.
Nesse momento Tom  chegou do meu lado, acho que ele também pensou, que tinha uma parede e encostou.
Eu só ouvi o barulho puft blaft!  fortíssimo no chão, da queda do meu amigo Tom.
Eu comecei a rir sem parar.
Eu ria tanto que não foi possível perguntar a ele se ele estava bem.
E como era um festival de filmes, eu fiquei desejando  que eles passassem uma comédia, porque estava impossível para mim segurar minha risada.
Você sabe aquele momento que você deseja segurar a risada, e quando mais você deseja prende-la, mais  liberdade a risada deseja...
Ele super sério e eu rindo, continuei rindo no intervalo das sessões cinematográficas, e continuei rindo ate o final das apresentações.
Quando terminou eu fui junto com meu amigo e a equipe produtora do filme  a um restaurante.
E eu rindo, simplesmente eu não conseguia parar de rir. e ele mais serio do que nunca.
Depois do jantar, nós fomos para casa do John, diretor do filme.
Na casa do John  tinha um estúdio com vários computadores, com programas de tradução, porque meu inglês era praticamente inexistente. E eles queriam saber o porque eu estava rindo.
Com a ajuda do tradução no computador eu disse a ele. "Conta a eles, deixa eles rirem um pouquinho, e também ria um pouquinho do seus erros e mistakes.

Eu -me utilizei de  vários argumentos, mas não fui capaz de convence-lo.
Ao contrario ele foi ficando mais sério, e quando mais sério ele se tornava, mais eu ria.
Ontem eu, a minha irmã e um americano fomos na cidade de Silver Spring  num festival de filmes brasileiros que estava ocorrendo la.

Fomos assistir ao filme: " Meu tio matou um cara." Ri durante toda a exibição do filme.
Após o termino do filme sugeri que fossemos a um restaurante que eu havia conhecido com meu amigo cubano Renê. Estávamos caminhando para o restaurante, e minha irma conversando comigo nem viu que havia uma porta de vidro. O que fez ela dar uma super batida na porta de vidro. Um super plaft puft..
E eu para variar comecei a rir imediatamente.
Enquanto eu ria, o americano que estava conosco, e os passantes preocupados perguntaram a minha irmã :
-"Tudo bem?"
Minha irmã respondeu que tudo bem. E para minha sorte, neste caso a vitima, começou a rir também.
Ja estávamos acomodados no restaurante e eu ainda rindo. Quando o americano fez a pergunta:
- "Como você pode rir, da sua própria irmã?"
- " Mas ela também riu. Olha no Brasil somos assim; a gente ri. Respondi sorrindo.
_ " Mas aqui você esta na América e não fica bem ficar rindo no restaurante. Me confrontou com seriedade o americano.
Coitado! Porque a seriedade  e confrontação dele, só fez ativar  completamente minha caixa interna de risada.kkkkk...
Ao retornamos para casa minha irmã contou o que aconteceu para a minha sobrinha Jessica.
Que chegou a sentar no chão de tanto rir.
Principalmente quando dizemos a respeito do comentário do serio americano:
- " Oh! ainda bem que você esta com um chapéu, senão iria criar um galo~"
- " E já imaginou Jessica, se você estivesse la. Ele iria dizer:
- Como você pode rir da sua própria mãe?"
Ai rimos mais. Imagine se ele sonhasse que estávamos rindo dele.
Sera diferença de cultura?
Mas como é bom rir!