Thursday, June 18, 2015

Eu Não Quero Ideologias Ideológicas Para Viver

Eu já me vi em várias encruzilhadas Ideológicas, com a  cruel duvida: Que caminho seguir?
Eu escolhi seguir  caminhos ideológicos, que possibilitavam-me transformar o mundo num mundo melhor.
Nos meus 14 anos, eu morava numa favela no bairro  Parque da Americas na cidade dormitório  Mauá. Eu tinha que sair antes da cinco da manha para chegar e para bater o cartão de ponto rigorosamente a  7:00 da manha. na fabrica em Sao Paulo.
Era uma aventura diária, pegar o ônibus ate o centro da cidade. E depois ir caminhando para a estação de trem, torcendo que no empurra, empurra, eu caísse sentada num banco vazio. Difícil mais não impossível.
O expediente terminal as 5:00 da tarde, e na escola so era permitido chegar atrasado ate a segunda aula que começava as 7:40 da noite.  Esta missão era quase impossível, também, então muitas vezes, eu passava direto em frente do portão, da escola, com a dor no coração de que eu havia perdido mais um dia de aula.
Nesta periferia, sem agua encanada, luz nas ruas, a ditadura não fazia diferença,.
O que fazia a diferença era as novelas da globo e alem da aulas o meu coração batia uma tristeza enorme porque eu perdia todos os dias ;"O sitio do Pica Pau Amarelo".  O Narizinho, o Pedrinho, Oh que tristeza!
Porem tinha Deus e a igreja. Oh Yes!  Paróquia São Dimas, com o maravilhoso padre Jose.
Márcio Chaves 
E na igreja tinha o grupo de  Jovens oprimidos religiosos católicos. Era um pequeno grupo, de mais ou menos 10 jovens, um era o Marcio, que tinha uma voz bonita e sabia usa-la. Ele chegava no Grupo dizendo "Oi Gente" imitando o Eli Correa, locutor da rapaziada.
No futuro Marcio se tornaria  vereador (1989–1992), vice-prefeito (1997–2000 e 2001–2004). E perefeito da cidade no primeiro turno em 2004, com cerca de 92 mil votos, a maior votação até hoje da história das eleições municipais da cidade. Atualmente, filiado no PSD — Partido Social Democrático, é o Presidente do Diretório Municipal de Mauá.
Donizete Braga
Donisete Braga exerce seu quarto mandato de deputado estadual. Antes, foi eleito duas vezes vereador de Mauá,
Neste grupo, eu  era responsável pelo grupo de crianças. Eu escrevi duas pecas de teatro. Numa minha Irma Marinete, representava a mae, eu enchi o cabelo dela de farinha de trigo para parecer cabelos brancos. As pecas foram representada pelas crianças, um grande espetáculo no altar da igreja, depois da missa. Eu lembro de no final da apresentação, a maioria dos fieis estavam chorando.
Na peca que a minha irma era Mae, o marido dela, era um bebado desempregado, o garoto de 10 anos, poderia ganhar um Oscar. 
A peca continha a nossa realidade diária de migrantes, procurando viver uma vida mais digna na cidade grande.
Nesta igreja conheci outro migrante, um homen, que eu considerava louco, porque quando o padre anunciava  que ele iria falar, ficavam apenas, seis gatos pingados. Enquanto todos ficavam para assistir as pecas que eu havia "produzido".  O homem se chamava Lula e iria se tornar presidente eleito do Brasil.
O segundo caminho escolhido, foi a "revolucionária  comunitária" na Cohab Balbo, da cidade Piracicaba.
Era um grupo  de seis pessoas, que se reuniam para discutir politica, o pais vivia numa ditadura militar,
o único lugar que poderíamos "militar", era nas igrejas, mas agora estávamos numa abertura,com novos partidos e a gente fazia parte do partido dos trabalhadores, do qual nunca me afilie, mas propaguei,
Na primeira eleições democráticas do pais, eu fui pra rua planfetar, as pessoas se desviavam, eles tinham medo de comunistas. A minha familia toda recebeu dinheiro fazendo campanha para o candidato Paulo Maluf. 
A minha irma me chamava de comunista. Um dia eu perguntei pra ela, que pais  era comunista. E ela respondeu prontamente:
- Estados Unidos.
A gente não tinha muitas informações, Mas com informações ou sem informações, eu estava determinada a fazer um mundo melhor.
Em 1982 eu fiz campanha para o José Machado ( 1946 ), ele nao se elegeu , mas em 1988, ele se elegendo prefiro de Piracicaba e um dos primeiros petistas do Brasil, eleito para governar uma cidade.
Nesta epoca eu nao morava mais na cidade.
Mas tres integrantes do meu grupo revolucionário partidário iriam ser eleitos para cargos públicos.
No futuro três integrantes do grupo iriam se tornar vereadores em Piracicaba-SP.
A Ivete madeira que teve problemas com o Regime Militar. Ela ministrava aulas para analfabetos, num curso do Movimento Brasileiro de Alfabetização (Mobral), com material didático do educador Paulo Freire. Os alunos eram funcionários de grandes fazendeiros, não tinham direito algum assegurado. O material didático era muito crítico e isso incomodava, despertava a raiva da elite rural. Chegou-se a montar, na época, o Sindicato Rural para fazer reivindicações. Inúmeras vezes, ela tinham que esconder o material para não ser presa. Escondía no meio da unha de gato, uma espécie de mato alto. Ela viria a ser vereadora faleceu aos 52 anos. Ela estava em seu terceiro mandato como vereadora. O seu marido Toninho também se tornou vereador.


A  Rai de Almeida, outra integrante do grupo também se tornaria vereadora em Piracicaba.
O terceiro caminho foi o partidário politico. Ao me mudar para Sao Paulo fui trabalhar na campanha do Jose Dirceu, muitos dias da semana eu levantava bem cedinho, a gente is planfetrar em poro de fabrica, antes de it para o Serviço.
Eu fiz campanha para a Dulce Pereira sem conhece-la. O Jose Dirceu me deu o telefone do diretório dela, porque ele era candidato a deputado federal e ela a deputada estadual. Eu liguei um dia, quem atendeu o telefone foi tao grosseiro que decidi, nao perder meu tempo de ir la. Eu fiz campanha com o numero e nome dela.
Eu me tornei experta em conseguir votos das pessoas. No meu bairro ela foi muito bem votada. Ela nao se elegeu, a conheci na verificação de contagens de votos. Isso mesmo eu estava la, eu nao havia me registrado ao partido, mas gastava toda a minha horas livres com reuniões partidárias.
A Erundina foi eleita. o Ze Dirceu foi eleito. Naquela época eu tinha certeza de uma coisa o Ze se tornaria , o Orestes Quercia do PT. E futuramente ele se tornaria presidente do PT.
Mas eu ja estava no quarto caminho.
O caminho da ideologia Feminista. E confesso eu não o percorri por muito tempo, pois eu achava muito contraditório.
O quinto caminho foi o dos movimentos Amorosos. Eu participei de muitas as reuniões e congressos.
Em um congresso na Universidade federal do Rio de Janeiro. Deve uma reunião somente com mulheres amorosas. Na reunião teve dois pontos de divergência. Eu acreditava que a gente deveria trabalhar com as crianças, somente trabalhando com as crianças poderíamos mudar a situação. O outro ponto de vista era Benedita da Silva que defendia que devíamos assumir o poder.
Ela acabou se tornando a primeira senadora amorosa eleita no Brasil.
Na cidade de Sao Paulo, eu sugeria para o grupo, ja que tínhamos dificuldade de pagar o aluguel da sede: Vamos ter aula de capoeira, as pessoas pagam as aulas. A minha sugestão de comercializar o espaço enquanto, a gente não estava sendo usado, parecia a coisa mais absurda do mundo.
 Eu conclui que a situação de sobrevivência econômica de cada um de nos era muito latente, para se conseguir mudar o coletivo.
Afinal como capitalizar, se o capitalismo te sequestrou, para se auto capitalizar?
Esse era o dilema do movimento, precisava de capital, mas era contra o capital, porque o capital era o responsable pela escravidão. Capitou?
Eu capitei.
Como eu poderia melhorar a minha vida financeira e ao mesmo tempo mudar de fato a situação da maiores vítimas sociais em meu pais que eram as crianças amorosas?
O sexto caminho foi de empresaria social


A primeira vez que eu vi nas bancas, uma revista cuja na capa estava uma modelo antes totalmente inibida, que ao fazer o curso de modelo oferecido pela minha empresa, se transformou.Eu me senti totalmente realizada.
Na semana passada eu vi um ator da globo, sendo cotado como um dos mais bonitos, e me lembrei de ter ido buscar ele numa favela de Diadema para fazer um teste de comercial. Do lançamento do seu livro "o Peixe Dourado no meu espaço.
 Mas este caminho também terminou...
                                                               Igo Silva
O sétimo caminho, o caminho  budista.
O budismo defende essa antiquissima ideia, que só agora a física através da física quântica esta levando a sério, de que criamos tudo com nossa mente: nossa casas, nossos relacionamentos e nossas doenças são reflexo do que pensamos.
Neste caminho eu comecei a tomar responsabilidade por minha própria vida, e transformar meus problemas e sofrimentos numa fonte de sabedoria, com a qual eu encorajo os outros.
Eu comecei a questionar tudo:
O que esta acontecendo dentro de mim neste momento?
O que eu acredito e porque?
Quais são as consequências em longo termo das minhas ações?
O Oitavo Caminho ......

 
Não Seja Guiado por Ideologia. Não Seja Liderado por uma Estrutura de Ideias

No comments:

Post a Comment