Google+ Badge

Monday, September 14, 2015

Se Você for Sequestrada! Confie em Mim, Eles Vão lhe Trazer de Volta

Uma lista de filmes biográficos de sequestro
Sequestrando Sinatra é um filme de 2003 dirigido por Ron Underwood. É estrelado por David Arquette e William H. Macy.
O filme conta a história do sequestro idiossincrática de Frank Sinatra, Jr. por Barry Keenan.


Patty Hearst (1988) é um filme  dirigido por Paul Schrader. Baseia-se na autobiografia  Patty Hearst - a sua própria história; (co-escrito com Alvin Moscow).
O filme retrata o rapto de estudante Patty Hearst pelo Exército de Libertação Symbionese, sua transformação em um seguidor ativo do SLA após uma prisão de longa duração e processo de lavagem cerebral, e sua detenção final depois de uma série de assaltos à mão armada.
Patricia Campbell Hearst conhecida como Patricia Hearst-Shaw (nascida em 20 de fevereiro de 1954), é a neta do magnata editorial americano William Randolph Hearst; ela se tornou nacionalmente conhecida por causa dos seguintes ao seu sequestro em 1974, enquanto ela era uma estudante de 19 anos, Patricia foi seqüestrada por um grupo de esquerda terrorista conhecido como o Exército de Libertação Symbionese. Depois de ser isolada e ameaçada de morte, ela tornou-se favorável à sua causa, fazendo anúncios de propaganda para eles e tomando parte em atividades ilegais. Ela foi encontrada 19 meses depois de seu sequestro, época em que ela era uma fugitiva procurado por crimes graves. Ela foi mantida sob custódia, apesar das especulações de que os recursos de sua família iria impedi-la de passar tempo na prisão. No julgamento a acusação feita sobre o seu caráter e moralidade sexual, sugeriu que ela não havia sido estuprada enquanto estava sendo mantida prisioneira pelo SLA. Ela foi considerada culpada de assalto a banco. A sua condenação e sentença longa de prisão foram amplamente visto como injusto, mas a correção processual de seu julgamento foi confirmada pelos tribunais. A sentença de Patricia foi comutada pelo presidente Jimmy Carter, e ela foi perdoado pelo presidente Bill Clinton.
Quem é Clark Rockefeller - Who is Clark Rockefeller (2010)
Um homem falsário ao longo da vida que se apresente como Rockefeller se casa com uma milionária. Quando a união tumultuada termina, ele rapta sua filha, e a perseguição que se seguiu revela miríade engano do homem.


Pequena Menina Perdida: A Historia de Vera Delimar - Procura Obsessiva
A história retrata a luta de Luz Cuevas (Judy Reyes) para encontrar sua filha, Vera Delimar Cuevas, que desapareceu em 1997 após a sua casa pegar fogo durante uma festa. A Policia relatou que Vera foi queimada no incêndio. No entanto, Luz suspeita que ela foi sequestrada, e que o fogo foi encenado por um intruso. Seis anos após o incêndio, Luz vai a uma festa na casa de Valerie Valleja (Ana Ortiz), que estava na festa de sua casa no dia do incêndio. Valerie tem uma menina de seis anos. A menina tem uma semelhança com as outras crianças de Luz, e Luz desconfia que a menina é Vera. Cuevas e seu marido Pedro Vera (Hector Luis Bustamante) iniciam uma investigação em Valerie Valleja, e descobrem que a menina é, na verdade Vera, através de um teste de DNA.


Sequestrada: A Historia de Carlina White é um filme  sobre Carlina White, que foi sequestrada quando criança por Ann Pettway de um hospital de Nova York e resolveu seu próprio seqüestro e se reuniu com seus pais biológicos 23 anos mais tarde. O caso é relatado como sendo o primeiro rapto infantil conhecido de um hospital de Nova York. Em 30 de julho de 2012, Ann foi condenado em um tribunal de Nova York a 12 anos de prisão por sequestro Carlina.
                  Keke Palmer representou Carlina Renae White
Carlina Renae White (nascido em 15 de julho de 1987), também conhecido como Nejdra "Netty" Nance
Retirado de Mim: A historia de Tiffany Rubin  é  filme de 2011 baseado na história verdadeira dramática de ousadia de 2008. 

O resgate do filho de Tiffany Rubin de seis anos de idade, Kobe, depois que ele foi sequestrado por seu pai biológico e levado para Seul, Coréia do Sul. Por insistência de sua mãe, Tiffany procura o conselho de Mark Miller (Terry O'Quinn) e sua organização de caridade, a Associação Americana para Crianças Perdidas. Com a ajuda de Mark, Tiffany é capaz de viajar para a Coréia para executar um grande plano para trazer seu filho para casa. 
Tiffany Rubin e marido, Christopher, celebram o retorno de seu filho Kobe no Aeroporto.

Sequestro em Cleveland - Cleveland Abduction (2015).

Em 2002, foi sequestrada Michele Knight, com 21 anos na época. Desaparecida desde 23 de agosto de 2002 ao sair da casa de um primo, no dia de uma audiência sobre a custódia de seu filho, de quem já havia perdido a custódia para o Estado, nunca mais foi vista. Depois de sua libertação, a polícia reconheceu que poucos esforços foram feitos para encontrá-la, em parte por ser já adulta e em parte por acreditarem que a jovem havia fugido com raiva por ter perdido a custódia do filho. De acordo com os policiais que a interrogaram após a libertação, ela havia aceito uma carona de Ariel quando caminhava na rua, ela foi amarrada e levada para a casa de Castro, onde permaneceu presa num quarto trancado no andar superior. Knight foi a mais abusada pelo captor durante os anos de cárcere privado, sendo obrigada a abortar cinco vezes e necessitando uma reconstrução facial pelas surras que levou. Também perdeu a audição num ouvido. Ela foi oi libertada com 32 anos de idade.
E m 21 de abril de 2003, foi sequestrada Amanda Berry, um dia antes de completar 17 anos, depois de sair do trabalho numa lanchonete Burger King. Amanda também aceitou uma carona de Castro, depois dele lhe dizer que também tinha um filho que trabalhava na lanchonete. Levada para a mesma casa onde já se encontrava Michelle há mais de seis meses, foi também mantida prisioneira. O seu caso tomou as manchetes dos jornais e televisões, com vários comunicados de que seu corpo havia sido encontrado e pela busca incessante de sua mãe, Louwana Miller, por três anos atrás da filha desaparecida, até morrer de insuficiência cardíaca em 2006.

Em 2 de abril de 2004, foi sequestrada Gina De Jesus aos 14 anos,  vista pela última vez falando de um telefone público na rua, no caminho entre a escola e sua casa. Gina era a melhor amiga da filha de Ariel, Arlene, e falava ao telefone com a mãe dela, Grimilda Figueroa, separada de Castro há anos devido a maus tratos, para que as duas pudessem dormir juntas na casa de Gina. A permissão foi negada e as duas se separaram. Mais uma vez, Ariel apareceu e ofereceu uma carona na rua à garota e a sequestrou, levando-a para o mesmo endereço do cativeiro das outras duas.
Em 2004, O caso de Gina também foi retratado no programa America's Most Wanted  junto com o de Amanda Berry e os dois desaparecimentos passaram anos no noticiário até 2012,


Em 2004, a  mãe de Amanda, Louwana, também participou de um programa especial do Oprah Winfrey Show, onde uma vidente, Sylvia Browne, afirmou que sua filha estava morta.
Enquanto prisioneiras, as três jovens sofreram constantes abusos como espancamento e estupro,  e múltiplos abortos causados em Michelle. As mulheres viveram muito tempo na casa sem ver a luz do sol e amarradas por cordas e correntes em determinadas ocasiões.
Um ano após o desaparecimento de Gina, o FBI publicou um retrato falado de um suspeito, identificado com um hispânico, entre 25 e 35 anos, 1,78 m de altura, com cerca de 80 kg e olhos verdes, cavanhaque e possivelmente uma barba fina. Castro, que tinha 43 anos na época, lembrava o retrato. É hispânico, tem barba e cavanhaque, peso e altura aproximada à descrita mas olhos marrons.
Quando a família fez uma vigília pela moça, para continuar a chamar a atenção para o desaparecimento. Imagens de uma dessas vigílias mostram nela a participação de Ariel Castro, identificado pela família, que informou que o sequestrador participava de buscas e procurava se manter próximo aos familiares da vítima.
No natal de 2006, durante seu tempo no cativeiro, ela teve uma criança depois de estuprada por Ariel, identificada com uma menina de seis anos depois da libertação, nascida, dia de Natal. O parto da criança, feito dentro de uma pequena piscina de plástico num quarto do cativeiro, teve a participação de Michele Knight, que foi ameaçada por Ariel de ser morta caso o bebê morresse no parto. A paternidade do sequestrador foi confirmada após exame de DNA.
Em 6 de maio de 2013, ela foram libertadas, quando Amanda, então já com 26 anos, aproveitou a saída de Castro da casa para gritar e esmurrar a porta pedindo socorro, sendo resgatada por vizinhos da rua e pela polícia. Junto com as três estava uma criança de seis anos, filha de Amanda, nascida no cativeiro.
O dono da casa, Ariel foi preso pouco depois da libertação e levado à corte sob as acusações de rapto e estupro, e teve a fiança fixada em U$8 milhões de dólares.
Ariel Castro Nascido em 10 de julho de 1960, era filho de um imigrante, Pedro Castro, que chegou aos Estados Unidos em 1954, primeiro morando na Pensilvânia e depois mudando-se para Cleveland. Um entre nove irmãos, sua família conhecia a família de Gina DeJesus, também descendentes de porto-riquenhos, e haviam crescido na mesma região oeste de Cleveland, onde eram pioneiros na formação da comunidade latina na área. Ariel concluiu o ensino secundário na Lincoln-West High School.
Em 1980, ele conheceu sua ex-esposa Grimilda Figueroa em 1980.
Em 1992, depois de casados ambos foram morar na mesma do cativeiro posterior das três mulheres. A residência tem 130 m², divididos em dois andares, quatro quartos e um porão de 71 m², construído em 1890 e remodelado em 1956. O casamento tornou-se violento, com diversas agressões de Castro à mulher, que chegou certa vez a jogá-la escada abaixo fraturando seu crânio.
 Em 1993, ele foi preso por violência doméstica, mas não foi indiciado pelo tribunal. Em 1996, a mulher deixou a casa com os quatro filhos do casal, assistida pela polícia. Mesmo assim, ele continuou a ameaçá-la e persegui-la, até ela conseguir na Justiça uma ordem para manter o marido afastado. Grimilda morreu de tumor cerebral aos 48 anos em 2012.
Entre fevereiro de 1991 e novembro de 2012,Ariel trabalhou por 22 anos como motorista de ônibus escolar em Cleveland quando foi demitido por mau comportamento e por colocar em risco com direção perigosa as crianças que transportava
Em 2004,  o seu filho quando Anthony estudava Jornalismo, ele escreveu um artigo sobre os desaparecimentos de Berry e De Jesus para o jornal Plain Press, e entrevistou a mãe de Gina. Três semanas antes da libertação das três jovens, Anthony contou que seu pai lhe perguntou se acreditava que Amanda Berry algum dia seria encontrada; ele respondeu ao pai que acreditava que ela já estivesse morta, ao que Ariel retrucou: "Mesmo? Você acha isso?"
Depois de preso, ele confessou os sequestros em detalhes e se auto-descreveu como um homem de "sangue-frio, viciado em sexo e sem controle sobre seus impulsos sexuais". Também admitiu ser o pai da filha de Amanda Berry e disse que os raptos não foram planejados, mas apenas impulsos de ocasião.Como parte de um ritual macabro, no período em que manteve as três mulheres presas ele comemorava a data do sequestro de cada uma delas com um bolo e as deixava ver na televisão as vigílias feitas por suas famílias em busca delas.
Em 1 de agosto, com a presença de Michelle,  a única vítima a comparecer ao julgamento, onde leu um depoimento escrito como testemunha de acusação, ouviu dos bancos do tribunal a condenação, Ariel foi condenado à prisão perpétua + 1000 anos, sem direito a liberdade condicional. como parte dos acordos entre Ariel, seus advogados e a promotoria, que lhe permitiram ser condenado à prisão perpétua ao invés de ser condenado à pena de morte
Em 7 de agosto de 2013, a casa na 2207 Seymour Avenue, onde as três reféns foram mantidas por quase dez anos foi demolida
Em 3 de setembro, pouco mais de um mês depois de iniciar o cumprimento da pena que o manteria por toda a vida encarcerado, Castro suicidou-se enforcando-se em sua cela individual da prisão do Centro de Reabilitação Correcional de Orient, Ohio, onde cumpria pena.
Vida Posterior
Amanda apareceu como convidada no palco do show do rapper Nelly no Roverfest e foi homenageada pelo cantor sob os aplausos da multidão, em sua primeira aparição pública.
Dois meses após sua libertação, Gina, Amanda e Michelle gravaram um vídeo, disponível no Youtube, onde agradecem a preocupação de todos e as doações financeiras feitas a elas por pessoas desconhecidas, para que pudessem começar nova vida. Amanda falou da felicidade de estar de volta ao convívio de sua família e amigos e que a cada dia se sente mais forte; Gina, acompanhada de seus pais, agradeceu às doações financeiras feitas a ela e Michelle, a que mais tempo ficou sequestrada e a que mais fala no vídeo, agradeceu as doações que estão lhe ajudando a construir uma nova vida e disse que era "forte o suficiente para passar pelo inferno com um sorriso, com a cabeça erguida e com os pés firmes" e sair dele.
Em abril de 2015, Amanda e Gina lançaram o livro Hope: A Memoir of Survival in Cleveland, co-escrito com a colaboração de Mary Jordan e Kevin Sullivan, jornalistas do Washington Post e vencedoras do Prêmio Pulitzer, onde contam suas vidas durante os anos de cativeiro, entremeado com relatos das duas jornalistas de fatos ocorridos no mundo exterior na busca das meninas e investigações sobre a vida passada e os motivos de seu sequestrador, Ariel Castro.


Mulher mantida - Kept Woman (2015)
Uma mulher muda para os subúrbios com um vizinho carismático que rapta mulheres. Inspirada numa historia verdadeira.