Google+ Badge

Friday, November 6, 2015

História da Bíblia Sagrada no Cinema



Ben-Hur é um filme de 1959 dirigido por William wyler. O filme é uma  uma adaptação do romance Ben-Hur: Uma História do Cristo escrito por Lew Wallace.
O filme teve o maior orçamento e os maiores cenários construídos na história do cinema até então. A figurinista Elizabeth Haffenden supervisionou uma equipe de mais de cem fabricantes de roupas, com mais de duzentos artistas e operários trabalhando nas centenas de frisos criados para a produção. As filmagens foram de 18 de maio de 1958 até 7 de janeiro de 1959, sendo realizadas seis dias por semana durante períodos de doze a catorze horas diárias. Mais de duzentos camelos, 2,5 mil cavalos e dez mil figurantes foram usados durante as filmagens. A pós-produção durou seis meses, com a batalha marítima sendo realizada com miniaturas em um grande tanque de água nos estúdios da MGM. A corrida de bigas de nove minutos de duração se tornou uma das sequências mais famosas do cinema, enquanto a trilha sonora composta por Miklós Rózsa é a mais longa já composta e muito influenciou outros filmes épicos por mais de quinze anos.
O trabalho de divulgação custou 14,7 milhões de dólares. Foi o filme de maior arrecadação do ano e no processo se tornou o segundo filme de maior bilheteria até então. Venceu um recorde de onze Oscars. Ben-Hur também venceu três Prêmios Globo de Ouro. Atualmente é considerado como um dos melhores já feitos, sendo selecionado para preservação em 2004 no Registro Nacional de Filmes, por ser considerado "culturalmente, historicamente ou esteticamente significante".
Stephen Boyd como Messala
No ano 26, o rico príncipe judeu Ben-Hur vive em Jerusalém com sua mãe Miriam, sua irmã Tirzah, se leal escravo Simonides e a filha deste Esther, que é apaixonada por Ben-Hur más está prometida a outro homem. O seu amigo de infância Messala trabalha como tribuno militar. Messala retorna para Jerusalém depois de vários anos longe como o novo comandante da guarnição romana local. Ele acredita na glória de Roma e seu poder imperial, enquanto Ben-Hur é devoto de sua fé e da liberdade do povo judeu.

Charlton Heston como Ben-Hur
Algumas telhas soltas caem do telhado da casa de Ben-Hur durante um desfile para Valério Grato, o novo governador da Judeia. Valério é jogado de cima de seu cavalo assustado e é quase morto. Messala condena Ben-Hur a ser escravo, mesmo sabendo que tudo foi um acidente, também aprisionando Miriam e Tirzah. Ele espera intimidar a população judia ao prender um amigo e cidadão conhecido. Ben-Hur jura  vingança.
Jack Hawkins como Quinto Arrio
Ben-Hur é mandado três anos depois para o navio do cônsul romano Quinto Arrio, que foi encarregado da destruição da frota de piratas macedônios. Ben -Hur declara que Deus irá ajudá-lo, ele salvar os outros escravos e Quinto que é creditado pela vitória da frota romana. Quinto pede  ao imperador Tibério que liberte Ben-Hur e o adota como seu filho. Um ano depois ele está rico novamente, tendo aprendido os costumes romanos e se tornado um campeão de corrida de bigas, porém ainda pensa sobre sua família e sua terra natal.
Hugh Griffith como Ilderim
Ben-Hur volta para a Judeia, conhecendo durante o caminho Baltasar, um dos Três Reis Magos, e o árabe xeque Ilderim. O xeque ouviu falar das proezas de Ben-Hur como corredor e pede para que ele conduza sua quadriga em uma corrida diante do novo governador da Judeia: Pôncio Pilatos. Ben-Hur recusa o convite, mesmo depois de saber que Messala também vai competir.
Ele volta para casa em Jerusalém, se encontrando com Esther e descobrindo que seu casamento arranjado não aconteceu e que ela ainda é apaixonada por ele. Ben-Hur visita Messala e exige a liberdade de sua mãe e irmã. Os romanos descobrem que Miriam e Tirzah pegaram lepra na prisão, as expulsando da cidade. As mulheres encontram Esther e imploram para que ela esconda suas condições de Ben-Hur para que ele se lembre delas como eram antes, então Esther mente e diz que elas morreram. Ben-Hur então muda de ideia e decide procurar vingança contra Messala ao competir na corrida de bigas.
Haya Harareet como Esther
Messala usa durante a corrida uma biga com lâminas nas rodas para destruir os outros competidores; ele tenta destruir a biga de Ben-Hur, porém acaba destruindo a sua própria, sendo fatalmente ferido enquanto Ben-Hur vence a competição. Messala diz antes de morrer que "a corrida ainda não acabou" e que Ben-Hur poderá encontrar sua família "no Vale dos Leprosos, se conseguir reconhecê-las". Ele visita a colônia de leprosos, conseguindo ver sua mãe e irmã sem que elas percebam.
Frank Thring como Pôncio Pilatos
Ben-Hur rejeita suas propriedades e cidadania romana por culpá-los pela desgraça de sua família. Ele descobre que Tirzah está morrendo e decide levar ela e Miriam com a ajuda de Esther para ver Jesus, porém o julgamento dele diante Pilato já começou. Ben-Hur testemunha a crucificação de Jesus, com sua mãe e irmã. Elas são  milagrosamente curadas durante uma chuva logo depois da crucificação. Ele em seguida declara: "E eu senti a voz de Jesus tirar a espada da minha mão"
O Julgamento Sinédrio de Jesus (um órgão judicial Judaico)
O julgamento de Jesus perante o judicial Sinédrio  após sua prisão em Jerusalém, e antes de sua dispensa por Pôncio Pilatos. É um evento relatado por todos os quatro evangelhos canônicos do Novo Testamento. Jesus esta geralmente tranqüilo, não monta uma defesa, e raramente responde às acusações, mas é condenado pelas autoridades judaicas quando ele nega ser o Filho de Deus. Os líderes judeus em seguida, levam Jesus a Pôncio Pilatos, o governador romano da Judéia, e pedem a pena de morte para ele, por ele  afirmar ser o rei dos judeus.
o julgamento de Jesus ocorreu justamente no período que foi legalizada a profissão de Advogado.
 Paixão de Cristo (2004) é um filme bíblico estadunidense, do gênero drama épico, dirigido por Mel Gibson e estrelado por Jim Caviezel como Jesus Cristo. Ele retrata a Paixão de Jesus, em grande medida de acordo com os Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João do Novo Testamento. Inspira-se também sobre a Sexta-Feira das Dores, juntamente com outros escritos devocionais, como os atribuídos a mística e visionária Anna Catarina Emmerich, beata da Igreja Católica. Parte do filme foi inspirado no livro A Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.
O filme abrange principalmente as 12 horas finais da vida de Jesus, começando com a agonia no jardim de Getsêmani, a insônia e agravo da Virgem Maria, mas terminando com uma breve descrição de sua ressurreição. Flashbacks de Jesus como uma criança e como um jovem com sua mãe Maria, dando o Sermão da Montanha, ensinando aos Doze Apóstolos, e na Última Ceia são algumas das imagens retratadas. O diálogo é inteiramente reconstruído em Aramaico e latim com legendas em vernáculo. O filme foi um grande sucesso comercial, arrecadando em excesso de $600 milhões durante seu lançamento. A Paixão de Cristo é a maior bilheteria de um filme restrito na história dos Estados Unidos, e o filme não feito em inglês de maior bilheteria de todos os tempos.

A Última Tentação de Cristo (1988) é um filme norte-americano, do gênero drama, dirigido por Martin Scorsese e com roteiro de Paul Schrader. É baseado no romance homônimo de Níkos Kazantzákis, publicado em 1951.
 É estrelado por Willem Dafoe como Jesus Cristo. O filme foi inteiramente rodado em Marrocos.
Como o romance, o filme retrata a vida de Jesus Cristo e a sua luta contra várias formas de tentação, incluindo medo, dúvida, depressão, relutância e luxúria. Isso é retratado no livro e no filme com Cristo imaginando-se envolvido em atividades sexuais, uma ideia que provocou a indignação de alguns cristãos. O filme inclui um aviso explicando que se afasta da interpretação bíblica comumente aceita da vida de Jesus, e não se baseia nos Evangelhos.
O desempenho de Harvey Keitel como Judas Iscariotes lhe rendeu um prêmio Framboesa de Ouro de Pior Ator Coadjuvante.
 Jesus - O Filme: Segundo o Evangelho de Lucas (1979) é um filme estadunidense que retrata a vida de Jesus Cristo, de acordo principalmente com o Evangelho de Lucas na Bíblia. Foi co-dirigido pelo australiano Peter Sykes, pelos britânicos John Heyman e John Krisch .
A história de Jesus Cristo retratada através de minuciosos detalhes da Bíblia, como o vestuário, a arquitetura e os costumes da época. O filme foi rodado em Israel, nos lugares citados na Bíblia e com diálogos baseados no Evangelho de Lucas.


O Rei dos Reis  - King of Kings (1961) é um filme estadunidense, do gênero épico, dirigido por Nicholas Ray, com trilha sonora de Miklós Rózsa e narração de Orson Welles. O filme é baseado nos quatro evangelhos canônicos (Mateus, Marcos, Lucas e João), além dos escritos do historiador romano Tácito, o filme traça a vida de Jesus Cristo, do nascimento até a ressurreição, dentro do cenário político de sua época, com a Palestina ocupada pelos romanos desde a invasão de Pompeu a cidade santa de Jerusalém, em 63 a.C
Orçamento $ 5037000 -Bilheteria $ 13400000



A Vida de Jesus Cristo é um filme brasileiro, realizado em 1971 e dirigido por William Cobbett. O filme teve um público de 1.390.903 espectadores, sendo o quarto filme mais assistido de 1971. O papel de Jesus Cristo foi interpretado pelos atores Hermir Valvassori (adulto) e Donizetti Vago (aos 12 anos).

Godspell  (um arcaica grafia da palavra gospel) 1973, é um musical escrito por Stephen Schwartz e John-Michael Tebelak. Estreou na Broadway em 17 de maio de 1971, e foi reapresentado por varias companhias diversas vezes desde então. Vários álbuns com a trilha sonora do musical já foram lançados ao longo dos anos e uma de suas músicas, "Day by Day", do álbum original, alcançou o número 13 na lista da revista Billboard no verão de 1972. A estrutura do musical é a de uma série de parábolas, retiradas principalmente do Evangelho de Mateus. Estes são, entretanto, intercaladas com uma variedade de músicas modernas com origem principalmente nos antigos hinos cristãos, a Paixão de Cristo é tratado brevemente no final da performance. A ideia do musical vem de um projeto realizado por estudantes universitários da Carnegie Mellon University, que depois virou uma produção da Broadway que acabou sendo um sucesso de longa data. A ideia do musical foi também de servir como um contraponto ao musical Hair, pois sua proposta enfatiza o legado do cristianismo e principalmente da personagem de Jesus de Nazaré como o filho de Deus e salvador da humanidade.
Barrabas (1961) é um filme italiano, do gênero drama épico-bíblico, dirigido por Richard Fleischer e estrelado por Anthony Quinn e  Robert Fox , como os dois apóstolos Paul e Peter que ajudaram a espalhar a palavra de Deus.
O escritor sueco Pär Lagerkvist concebeu uma obra de ficção na qual se baseia o filme. Por sua obra, o escritor recebeu o Prêmio Nobel de 1950.
Barrabás é um personagem misterioso, citado breve e exclusivamente no Novo Testamento, no contexto do julgamento de Jesus. Ele seria um criminoso condenado à morte pela justiça romana, que acaba libertado por vontade do populacho judaica, posto a escolher entre ele e o Nazareno.
Barrabás passa por várias situações críticas, seja como escravo-mineiro, seja como gladiador em plena capital do Império Romano. E, em todas elas, a lembrança de Jesus parece persegui-lo, através de outros personagens, como o seu companheiro de infortúnio, Sahak, e o treinador de gladiadores, Lucius.
Por força disso, Barrabás quase se torna cristão e é nesse estado que ele interpreta o incêndio de Roma, ocorrido no reinado de Nero, como um prenúncio do advento de uma nova era, prometida pelo Cristo.
Até o fim, ele se mantém atado a Jesus, posto que também sofre o suplício da cruz. Mas, se o Nazareno (segundo os Evangelhos) expira dizendo: "Pai, em Tuas mãos entrego o meu espírito!", Barrabás que, apesar de tudo não conseguiu converter-se a nenhum deus, encerra sua vida murmurando para a noite: "Escuridão, entrego-me à tua guarda!".Barrabás é um dos poucos filmes que receberam 100% de aprovação do site de críticos de cinema Rotten Tomatoes.

Sansão e Dalila (1949) é um filme estadunidense, um épico realizado por Cecil B. DeMille. O argumento do filme foi adaptado da célebre história bíblica de Sansão e Dalila, no Livro dos Juízes. Possui cenas clássicas como a famosa e monumental destruição do templo. O hebreu Sansão, famoso pela sua força descomunal, fica noivo de uma mulher filistéia chamada Semadar. Ela é morta logo depois do casamento pelos filisteus na tentativa de matar Sansão. A irmã de Semadar, Dalila, que é apaixonada por Sansão, porém é muito ambiciosa, tenta descobrir o segredo da força de Sansão em troca de pratas e riqueza. Após descobrir que a força está em seu cabelo, Dalila o corta e entrega Sansão aos filisteus sem saber que seu povo o deixará cego e o fará sofrer. No final, a força de Sansão volta e ele acaba matando todos os filisteus em um templo onde ia ser chicoteado. A Bíblia relata que Sansão foi juiz do povo de Israel por vinte anos (Juízes 16:31), aproximadamente de 1177 a.C. a 1157 a.C. , sendo o sucessor de Abdon e o antecessor de Eli.

Salomão e a Rainha de Sabá é um filme épico estadunidense de 1959, dirigido por King Vidor. O roteiro  dramatiza o conteúdo do décimo e nono capítulos do Livro dos Reis e II Crônicas da Bíblia. Tyrone Power morreu durante as filmagens na Espanha e teve que ser substituído por Yul Brynner no papel de Rei Salomão, o que quase levou ao cancelamento do filme.
Salomão é um personagem da Bíblia (mencionado, sobretudo, no Livro dos Reis), filho de David com Bate-Seba, que teria se tornado o terceiro rei de Israel, governando durante cerca de quarenta anos (segundo algumas cronologias bíblicas, de 1009 a 922 a.C.).
O nome Salomão  deriva da palavra Shalom, que significa "paz" e tem o significado de "Pacifico". Também chamado de Jedidias (em árabe سليمان Sulayman) pelo profeta Natã. (II Samuel 12:24, 25)
Idealização do Templo de Salomão. Segundo a Bíblia, foi quem(em Reis e em Crônicas), ordenou a construção do Templo de Jerusalém, no seu 4.º ano, também conhecido como o Templo de Salomão.Foram necessários 30.000 trabalhadores para serrar a madeira no Líbano, 70 000 para o transporte das cargas e 80 000 que talhavam as pedras nas montanhas, além de 3 300 chefes-oficiais.
O Templo media sessenta côvados de comprimento, vinte de largura e trinta de altura. Era todo revestido em seu interior por cedro, madeiras nobres, e nenhuma pedra se via; o chão era de tábuas de cipreste, também madeira nobre; posteriormente cobriu-se todo o interior do templo de ouro puro.O Santo dos Santos, câmara mais especial, que guardava a Arca da Aliança, era revestido totalmente de ouro, e era um cubo cuja aresta media vinte côvados. O altar também foi coberto de ouro. O Templo também apresentava enormes pátios exteriores. Depois disso, mandou construir um novo Palácio Real para o Sumo Sacerdote, o Palácio da Filha de Faraó, a Casa de Cedro do Líbano e o Pórtico das Colunas. A descrição do seu Trono era exemplar único em seus dias. Mandou construir fortes muralhas na cidade de Jerusalém, bem como diversas cidades fortificadas e torres de vigia.
Salomão se notabilizou pela sua grande sabedoria, prosperidade e riquezas abundantes, bem como um longo reinado sem guerras. Foi após a sua morte, que ocorre o previsto cisma nas Tribos de Israel, originando o Reino de Judá (formado pelas 2 Tribos), ao Sul, e o Reino de Israel Setentrional (formado pelas 10 Tribos), ao Norte.
Riquezas de Salomão
"O peso do ouro que se trazia a Salomão cada ano era de seiscentos e sessenta e seis talentos de ouro"(equivalente a cerca de 10 toneladas de ouro) de tributos, além das outras fontes que não eram o próprio povo. "Todas as taças de que se servia o rei Salomão eram de ouro,[...]não havia nelas prata, porque nos dias de Salomão não se dava a ela estimação nenhuma" , ou seja, a riqueza em ouro do rei era tamanha que não precisava demonstrar sua riqueza em prata. Uma hipérbole bíblica: "Fez o rei que, em Jerusalém, houvesse prata como pedras e cedros (madeira nobre) em abundância como os sicômoros (espécie de árvore comum na região) que estão nas planícies."
Salomão casou com uma filha do faraó (Anelise) e recebeu como dote de casamento a cidade cananeia de Gezar. Renovou a aliança comercial com Hirão, Rei de Tiro.
Salomão organizou uma nova estrutura administrativa, dividindo as terras em 12 distritos administrativos governados por funcionários nomeados diretamente pela administração central. No exército, deu especial importância a cavalaria e aos carros de guerra. Dispunha no porto de Eziom-Geber, no golfo de Aqaba de uma frota de navios comerciais de longo curso, chamados de "navios de Társis".
Segundo I Reis 11:3, A estas nações uniu-se Salomão por seus amores. Teve setecentas esposas de classe principesca e trezentas concubinas. E suas mulheres perverteram o coração.
Até o presente, não há comprovação capaz de conferir autenticidade histórica à figura do rei Salomão, além da própria Bíblia, nem que Jerusalém tenha sido, por volta do século X a.C., o centro de um reino amplo e próspero, conforme descrito no Livro dos Reis. Ademais, tendo sido Salomão um rei famoso por sua sabedoria e riqueza (como mostrado na Bíblia), era de se esperar que seu nome fosse referido por outros povos daquela região, sobretudo pelos fenícios de Tiro, com quem o reino de Salomão manteria intenso comércio.

A rainha de Sabá foi, na Torá, no Antigo e no Novo Testamento, no Alcorão, na história da Etiópia e do Iémen, uma célebre soberana do antigo Reino de Sabá, reino mais poderoso da Arábia Feliz. A localização deste reino pode ter incluído os atuais territórios da Etiópia e do Iémen.
Conhecida entre os povos etíopes como "Makeda", esta rainha recebeu diferentes nomes ao longo dos tempos. Para o rei Salomão de Israel ela era a "rainha de Sabá". Na tradição islâmica ela era Balkis ou Bilkis. Flávio Josefo, historiador romano de origem judaica, a chamou de "Nicaula". Acredita-se que tenha vivido no século X a.C.
De acordo com a Torá e o Velho Testamento, a rainha da terra de Sabá (cujo nome não é mencionado) teria ouvido sobre a grande sabedoria do rei Salomão de Israel, e viajado até ele com presentes de especiarias, ouro, pedras preciosas, e belas madeiras, pretendendo testá-lo com suas perguntas, como está registado no Primeiro Livro de Reis (10:1-13) (relato copiado posteriormente no Segundo Livro de Cronicas, 9:1-12).

A História de Rute (1960) é um filme estadunidense, dirigido por Henry Koster.
 Rute uma sacerdotisa pagã que serve como a orientadora de uma jovem moabita chamada Tebá que está sendo preparada para ser sacrificada a Quemós, o deus moabita. A alta sacerdotisa Eleilat, juntamente com Rute, ordenam a Malom, um jovem artesão judeu, que prepare uma coroa que será utiliza por Tebá durante o ritual no qual a menina será sacrificada. Quando Malom entrega a coroa para Rute no templo, ele explica que Quemós é um falso deus. Esta parte não-bíblica da película termina com a menina moabita sendo sacrificada e posterior tentativa de fuga da assustada Rute com Malom e a família dele. O resultado desta "desonra" é a prisão de Malom juntamente com seu pai Elimeleque e seu irmão Quiliom que terminam por serem mortos na prisão. A punição de Malom é trabalhar como escravo pelo resto de sua vida. Depois de uma tentativa de Rute para ajudá-lo fugir, ele é assassinado.
A história bíblica contada no Período dos Juízes se inicia com o retorno de Naomi e as noras viúvas Orfa e Rute para Israel. Noemi pede as noras que retorne para Moabe, no que é atendida por Orfa, todavia Rute tinha tal afeto pela sogra Noemi, que escolheu voltar com ela para Israel, citando a frase que ficou conhecida como o símbolo da fidelidade: “Teu povo será o meu povo, teu Deus será o meu Deus”.


A História de Rute  (1949)
Fixada em Israel, segundo a lei judaica deveria, como viúva, ser desposada por Boaz, o parente mais próximo de seu marido, o que seria o “direito de resgate”. Rute, então, resolve aproximar-se dele, e vai respigar nos campos que lhe pertencem, pedindo apenas que a deixassem respigar as sobras, as espigas de trigo que caíam atrás dos ceifadores. Boaz, ao conhecê-la, permite que ela respigue, pedindo aos seus servos que deixassem cair propositadamente algumas espigas para que ela as pegasse.
O Livro de Ruth- Uma Jornada de Amor
A sogra, ao saber do ocorrido, e tentando lhe assegurar felicidade e uma existência tranqüila, aconselha-a para que, depois do trabalho, veja onde Boaz está descansando e deite discretamente aos pés dele. Rute faz o que lhe aconselha a sogra e, no meio da noite, Boaz a encontra ao seu lado, ao que ela sugere que ele tem o direito de resgate israelita. Boaz objeta que há outro parente mais próximo, que tem o direito antes dele, mas que tentará resolver a questão.
Boaz negocia com o parente que possui o direito de resgate e a adquire, casando-se em seguida.
Boaz casou-se com Ruth, e eles tiveram um filho, chamado Obede. A genealogia no capítulo final do livro explica como Ruth se tornou a bisavó de David: Boaz gerou a Obede, Obede gerou a Jessé e Jesse gerou David (Ruth 4:17). Ela também é, assim, o ancestral de Joseph (marido de Maria e que pretende ser pai legal de Jesus), e é uma das cinco mulheres mencionadas na genealogia do Mateus 1 (junto com Tamar, Raabe, Bate-Seba, e Maria).
A vida de David é convencionalmente datada de c. 1040-970 aC, por isso Ruth como sua bisavó teria um ano de nascimento de cerca de 1100 aC.


David e Golia
Samuel  profetiza o fim do reinado do cruel e sedento de poder Rei Saul de Israel (Orson Welles) e unge o filho do pastor David (Ivo Payer) o sucessor escolhido. Desejando  destruir o jovem bondoso e sábio, o malévolo Abner, envia Davi para fazer a paz com o inimigo de Israel, os filisteus. O iíder e rei dos filisteu Asrod  diz que seus povos irão depor as armas se David  matar o lutador poderoso Golias (Kronos).
Século 8 A.C.

Os Dez Mandamentos (1956) é um filme norte-americano, dirigido por Cecil B. DeMille.
É uma narrativa romanceada da vida de Moisés: desde que foi encontrado no rio Nilo até a chegada à chamada Terra Prometida, passando pela fuga do Egito e a abertura das águas do mar Vermelho.
É também um dos filmes mais bem sucedidos financeiramente já feitos, arrecadando cerca de $ 122.700.000 nas bilheterias durante o seu lançamento inicial; foi o filme de maior sucesso de 1956 e a segunda maior bilheteria da década. De acordo com o livro Guinness dos Recordes, em termos de exibição teatral é o sétimo filme de maior sucesso de todos os tempos quando a bilheteria é ajustado para a inflação.
Em 1999, o filme foi selecionado para preservação no Registro Nacional de Filmes dos Estados Unidos pela Biblioteca do Congresso como sendo "culturalmente, historicamente ou esteticamente significante". É hoje considerado um dos maiores filmes de todos os tempos. Em junho de 2008, o American Film Institute revelou os dez melhores filmes em dez gêneros de cinema americanos após-a votação de mais de 1.500 pessoas da comunidade criativa. O filme foi listado como o decimo melhor filme em épico.
O Período que Ocorreu Os Dez Mandamentos
Os Dez Mandamentos são baseados em formas hititas que datam  em algum lugar entre o AEC 14-12 século antes de Cristo. Os arqueólogos Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman argumentam que "a composição surpreendente veio juntos ... no século VII a. C".

Noé (2014) é um filme épico estadunidense, dirigido por Darren Aronofsky, com Russell Crowe como o personagem título. Adaptado da história bíblica da Arca de Noé, o mundo é devastado pelo pecado do homem e Noé é chamado por Deus para construir uma arca e abrigar todos os animais e sua família, de um dilúvio que promete destruir toda a Terra

A Bíblia... No Início (1966) é um filme ítalo-americano que narra os 22 primeiros capítulos do livro de Gênesis.Produzido pela 20 Century Fox pelo italiano Dino De Laurentiis, rodado nos estúdios Cinecittà e dirigido por John Huston.O filme exibe com domínio e força as histórias das Escrituras Hebraicas (Antigo Testamento) desde a criação da Terra e do primeiro homem, Adão, até sua queda devido a desobediência (Gênesis cap. 1-3), bem como o declínio da humanidade inteira. Depois da expulsão de Adão e Eva do Jardim do Éden, vamos para a famosa história de Caim e Abel, um irmão bom e outro mau. Caim e Abel fazem um sacrifício para Deus, mas devido a maldade de Caim, Deus rejeita o seu sacrifício, mas aceita o de Abel, devido ele ser um bom homem; Caim, enfurecido e completamente tomado de ciúmes, mata seu irmão; Deus o castiga por isso, mas, Caim com medo de quem achá-lo poder matá-lo, faz com que Deus lhe dê um sinal, para que quem o ache não o mate (Gênesis cap. 4:1-16).
O filme mostra também os julgamentos de Deus contra o mundo dos dias de Noé, e as cidades de Sodoma e Gomorra (Gênesis cap. 6-9, 19:1-26). Após o Dilúvio, o filme nos conduz para a história de Ninrode, bisneto de Noé (filho de Cus, filho de Cã), onde vemos o seu reino do qual Babel, Ereque, Acádia e Calné, na terra de Sinear, faziam parte; é nessa parte que vemos a grande torre que os homens estavam construindo, que ficou mais tarde conhecida como a Torre de Babel, pois foi ali que Deus confundiu o idoma de todos (Gênesis cap. 10:6, 8-12; cap. 11:1-9). O filme vai também até os dias de Abraão (cujo nome antes era Abrão) (Gênesis cap. 12-18, 20-22), onde Deus diz para ele sair de sua terra natal e lhe promete que será o pai de grandes nações; mas surge uma pergunta intrigante: como isso se dará se Sara (cujo nome antes era Sarai) é estéril? Sara arranja uma solução: entrega Agar, sua escrava egípcia, para Abraão, para que, como ela diz, "tenha filhos por meio de Agar". Mas não é essa a solução de Deus. De fato, Agar dá à luz um filho, Ismael, mas depois de uma visita que Abraão recebeu, feita por três anjos, é prometido a Sara que ela terá um filho, mesmo na idade avançada. Nasce um filho à Sara, Isaque, mas devido a uma brincadeira de mau gosto feita por Ismael e apoiada por sua mãe, durante a festa do desmamento de Isaque, Sara manda a Abraão que ele expulse Agar e Ismael; a princípio se recusa a fazer isso, mas quando Deus diz para ele escutar a voz de sua esposa, ele acaba mandando os dois embora, mesmo Ismael sendo também seu filho. Agar vagueia com seu filho pelo deserto, mas não acha água, achando assim que o filho vai morrer, chora a Deus; um anjo aparece dizendo que Ismael será o pai de uma nação e, logo depois, surge água. O filme termina com o impedido sacrifício de Isaque, passando por todas essas histórias de maneira emocionante. O filme ganhou o Oscar de melhor produção e musica.