Google+ Badge

Wednesday, March 9, 2016

A Missionaria Chinesa

Nora Lam (04 de setembro de 1932 ) era uma chinesa pastora protestante, e fundadora da Nora Lam ministérios  International (NLMI).
Abandonada no nascimento, ela foi adotada seis meses mais tarde pelo Dr. e Sra H.T. Sung, um casal de destaque em Xangai. A sua mãe adotiva era um membro de uma das famílias mais ricas de Xangai. O seu pai adotivo foi educado na França, onde ele recebeu alguma instrução católica. Ele, no entanto, não era religioso. ela recebeu o  nome Neng Yee Sung, e uma infância mimada e paparicada.
Em 1937, o conflito na Ponte Marco Polo em Pequim levou ao início da guerra com o Japão. Quando as forças japonesas chegaram a Xangai em 1939, ela tinha 7 anos, a sua família fugiu de sua casa para ir viver na casa de sua -avó na concessão francesa de Xangai. Em 1941, numa escola para meninas,  ela ouviu pela primeira vez sobre do cristianismo. Durante seu tempo lá, ela teve uma visão de um anjo da guarda, aparecendo na forma de um homem velho. Ela disse que este anjo da guarda aconselhou-a durante toda a sua vida.
Em 1942, aos dez anos, a sua família fugiu dos japoneses novamente, desta vez para a casa de seu avô no sudoeste da China.
Após a guerra terminar em 1945, a sua família voltou a Xangai.  O seu pai começou a praticar medicina novamente no Hospital  e ela entrou na prestigiada escola Mary Farnham , um internato para meninas, dirigido por missionários presbiterianos. Aos 16 anos, ela parou de que professar ser uma cristãa.
Após o fim da guerra civil chinesa em 1949, ela se matriculou na Huatung Ciência Política e Direito College,   com aspirações de se tornar uma advogada. Formou-se em terceiro lugar na sua classe em 1953 e tornou-se professora assistente de Direito e História. Ela conheceu e se apaixonou por Cheng Shen Lam, um outro estudante de direito na universidade. Em 1955, percebendo que ela estava grávida, ela e Cheng se casaram. O seu filho nasceu no mesmo ano.
Interrogatório, Pelotão de execução, e Fuga
Devido à riqueza de seus pais e formação ocidental e às suas próprias experiências com missionários estrangeiros, ela foi interrogada por oficiais do Partido Comunista, que queriam rompe-la de quaisquer tendências burguesas. Como ela foi questionada, ela começou a questionar-se, percebendo que ela ainda acreditava no cristianismo. Em sua autobiografia, China Cry, Neng Yee afirmou que ela foi condenada à morte por fuzilamento, mas milagrosamente sobreviveu.
Em 1957, seu marido, cujos pais viviam em Hong Kong, foi também interrogado por funcionários como parte da primeira campanha antidireitista. Durante este tempo, ela deu à luz a sua segunda filha, Ruth Lam Kendrick. Um mês depois, o se pai, que já havia perdido o emprego e tinha sido forçado a reeducação através do trabalho, morreu de drogas experimentais testadas sobre ele.
Em 1958, quando de Mao Zedong Grande Salto Adiante começou, o seu marido foi capaz de obter um visto de saída para Hong Kong para visitar seu pai doente. Ele levou a filha Ruth com ele. Nora, serviu como uma fiadora para seu retorno, ela foi forçada a submeter-se a trabalhos forçados, apesar de estar grávida de seu terceiro filho. Após petição a Pequim, ela recebeu um visto de saída para visitar Hong Kong durante a sua licença de maternidade. A fuga de sua mãe para Hong Kong aconteceu dois anos mais tarde.
A vida em Hong Kong
Depois de alcançar Hong Kong em 1958, 0terceiro filho do casal nasceu. Nora Lam, alegou abuso conjugal, se divorciou do marido e se casou com S. K. Sung, um ancião na igreja.
A vida nos Estados Unidos
Em 1965 com um patrocínio de Kathryn Kuhlman, Nora foi capaz de imigrar para os EUA com seus filhos, mãe e primeiro marido Cheng Shen, em 1966.
                                                                            Kathryn Kuhlman
Em 1974, ela fundou Nora Lam Ministries International, em São Jose, Califórnia, e começou a fazer cruzadas missionárias anuais na Ásia, para multidões de 100.000 em Taiwan. Ela também tinha um programa de rádio diário transmitido em Taiwan e acessível na China Continental. Outros ministérios incluem orfanatos e distribuição da Bíblia em língua chinesa.
Ela recebeu a Associação Coreana de Prêmio Trabalho Social, uma medalha da Fundação Cultural do Pacífico, um prêmio da Comissão de Assuntos Chineses Ultramarinos, e um prêmio especial de casa Sung Ro Crianças ganhou na Coréia, juntamente com o respeito de líderes nacionais.
eLA e seu segundo marido adotou duas crianças de Taiwan.
Ela morreu na Califórnia em 2 de fevereiro de 2004. Ela deixou dois filhos, três filhas e sete netos. A sua filha mais velha Ruth Lam Kendrick é presidente da Nora Lam Ministero International, agora renomeada Fundo Mundial da Criança, que continua a apoiar igrejas chinesas, orfanatos cristãos e programas infantis ao redor do mundo.

China Cry é um filme biográfico 1990 no período durante a ascensão do Estado comunista na China, baseado no livro por Nora Lam. Ele é definido na década de 1950 baseado na história verídica de Sung Neng Yee.

Nascida em uma família chinesa rica, ela primeiro estava ansiosa para se tornar parte da "nova sociedade" de Mao Zedong. Mas o regime maoísta traz sofrimento e miséria para a sua família. Ela é presa pelas autoridades, e ela acredita que só Jesus Cristo deve tê-la salvo quando ela sobreviveu a um pelotão de fuzilamento. Ela é levada para um campo de trabalhos forçados durante a gravidez, mas sobrevive leva seus filhos e familiares para a liberdade. O filme foi dirigido por James F. Collier, e é um exemplo de caracteres asiáticos positivos em um filme de temática cristã.