Google+ Badge

Sunday, May 8, 2016

Famosos Judeus Escritores


Annelies Marie "Anne" Frank (12 de junho de 1929 – fevereiro de 1945) foi uma adolescente alemã de origem judaica, vítima do Holocausto. Ela se tornou uma das figuras mais discutíveis do século XX após a publicação do Diário de Anne Frank (1947), que tem sido a base para várias peças de teatro e filmes ao longo dos anos. Nascida na cidade de Frankfurt am Main, na República de Weimar, ela viveu grande parte de sua vida em Amsterdã, capital dos Países Baixos, onde perdeu sua cidadania alemã. Sua fama póstuma deu-se graças aos documentos em que relata suas experiências enquanto vivia escondida num quarto oculto, ao longo da ocupação alemã nos Países Baixos, durante a Segunda Guerra Mundial.

O Diário de Anne Frank (1959). Aclamado pela crítica, foi vencedor de três Oscars.
Em 1933, com a ascensão dos nazistas ao poder alemão, começaram a ocorrer manifestações antissemitas, o que fez com que a família de Frank, dentre muitas outras, temessem o que aconteceria com eles desde então. No ano seguinte, mudaram-se para Amsterdã, onde viveram uma vida normal por seis anos, sobrevivendo com as empresas do pai de Anne. Em 1940, quando os nazistas invadiram os Países Baixos, a população judaica foi perseguida e proibida de frequentar diversos locais. Dois anos depois, a família decidiu se esconder em cômodos secretos de um edifício comercial; dividindo-o com mais quatro pessoas. Próximo do fim da guerra, o grupo foi traído misteriosamente e transportado para campos de concentração. Anne e sua irmã, Margot Frank, foram levadas até o de Bergen-Belsen, onde morreram, provavelmente, de tifo epidêmico, num dia desconhecido de fevereiro de 1945.

Sótão: O Esconderijo de Anne - (1988)
Com o fim da guerra, o único sobrevivente foi o pai de Anne, Otto Frank, que retornou a Amsterdã e descobriu que o diário da filha havia sido salvo por Miep Gies, a mesma que o ajudou escondendo a família em um edifício. Após muito esforço, seu pai conseguiu publicar o diário, e, desde então, é um dos livros mais traduzidos do mundo. Foi lançado também um filme biográfico da adolescente, sob o título The Diary of Anne Frank (1959). 

A Lembrança de Anne Frank (1995)
 O museu, Casa de Anne Frank, foi inaugurado em 3 de maio de 1960, e em 2013 e 2014 atraiu mais de 1.2 milhões de visitantes. Anne também foi imortalizada com uma estátua de cera no Museu Madame Tussauds, além de ter sido considerada pela revista Time um ícone do último século.

Antonio José da Silva (8 de maio de 1705  —  19 de outubro de 1739) foi um escritor e dramaturgo português nascido no Brasil colônia. Formado na universidade de Coimbra, escreveu o conjunto da sua obra em Portugal entre 1725 e 1739. É hoje considerado um dos maiores dramaturgos portugueses de todos os tempos.
O romancista português Camilo Castelo Branco (1825-1890) retratou a vida de várias gerações da família de António José da Silva até à sua morte na sua obra O Judeu.
 A sua história também inspirou Bernardo Santareno, igualmente de origem judaica, a escrever a peça O Judeu.
 A Fundação Nacional de Artes - Funarte e o Camões Instituto da Cooperação e da Língua Portuguesa instituíram o Prêmio Luso-Brasileiro de estímulo a dramaturgia António José da Silva no ano de 2007. 
Portugal dedicou-lhe um selo a 7 de junho de 2010, na série Teatro em Portugal, que reproduz uma cena da peça "Guerras do Alecrim e da Manjerona", sob o título "António José da Silva (O Judeu)".

O Judeu é um filme luso-brasileiro de 1995 dirigido por Jom Tob Azulay, baseado na vida do dramaturgo:

Bernard Malamud (26 de Abril de 1914 – 18 de Março de 1986) foi um escritor norte-americano de romances e contos. 
O seu romance sobre basebol, The Natural, foi adaptado ao cinema em 1984 no filme com o mesmo titulo tendo Robert Redford no principal papel

 O seu romance de 1966, The FixerO Homem de Kiev, sobre o anti-semitismo na Rússia czarista, venceu os prêmios National Book e Prémio Pulitzer de Ficção de 1967.O filme conta, em forma de ficção, um fato real, o julgamento, em 1913, do judeu Menahem Mendel Beilis, acusado injustamente de assassinato. O "caso Beilis" causou indignação em todo o mundo e fez com que a Rússia voltasse atrás.

Émile-Édouard-Charles-Antoine Zola (2 de abril de 1840 —  29 de setembro de 1902) foi um consagrado escritor francês, considerado criador e representante mais expressivo da escola literária naturalista além de uma importante figura libertária da França. 
 Devido às complicações financeiras por que passou após a morte do pai, Zola é levado a trabalhar em uma série de escritórios, ocupando cargos de pouca influência.
Inicia-se no ramo jornalístico escrevendo colunas para os jornais Cartier de Villemessant's e Controversial. Suas colunas não poupavam críticas severas a Napoleão III - (…) meu trabalho torna-se a imagem de um reinado partido, de um estranho período de loucura e vergonha humanas - e à Igreja - A civilização jamais alcançará a perfeição até que a última pedra da última igreja caia sobre o último padre.
A obra de caráter autobiográfico La Confession de Claude (1865), um dos primeiros trabalhos publicados por ele, atraiu atenção negativa da crítica especializada. O ainda mais criticado Thérèse Raquin, romance lançado no ano seguinte, apresentou uma abordagem inovadora em sua concepção: inspirado pelos estudos científicos da época, Emile Zola propõe não um simples romance, mas uma análise científica pormenorizada do ser humano, da moral e da sociedade. Thérèse Raquin tornou-se, portanto, marco inicial de um novo movimento literário, oriundo da análise científica e experimental do ser humano: o Naturalismo.
O seu trabalho de maior influência política foi a carta aberta intitulada J'acccuse (Eu Acuso), destinada ao então presidente da França Félix Faure. A carta, publicada na primeira página do jornal parisiense L'Aurore em 13 de janeiro de 1898, acusou o governo francês de antissemitismo por julgar e condenar precipitadamente o capitão Alfred Dreyfus, judeu e oficial do exército francês, por traição em 1894.
A Vida do  Emile Zola
Émile Zola faleceu em 29 de setembro de 1902 em sua casa em Paris devido à inalação de uma quantidade letal de monóxido de carbono proveniente de uma lareira defeituosa; alguns estudiosos, em razão das misteriosas circunstâncias do ocorrido, não descartam a hipótese de homicídio.

 Frances Ann "Fran" Lebowitz (nascida em 27 de outubro de 1950) é um autora, jornalista e oradora pública, lésbica e judia americana. Ela é conhecida por seus social comentários mordaz sobre a vida americana filtrada através de suas sensibilidades Nova Iorquina. 
Depois de ser expulsa do colégio e receber um GED, ela trabalhou em muitos empregos estranhos antes de ser contratado por Andy Warhol como colunista.  Isto foi seguido por uma temporada em Mademoiselle. O seu primeiro livro foi uma coleção de ensaios intitulado Metropolitan Life, lançado em 1978, seguido de Estudos Sociais em 1984, ambos os quais são recolhidos na Fran Lebowitz Reader. 
Ela tem sido conhecida, em parte, por sinais exteriores de riqueza, um longo atraso, romance inacabado, supostamente sobre pessoas ricas que querem ser artistas, e artistas que querem ser ricos.  Ela também fez várias aparições no Late Night com David Letterman e teve um papel recorrente como juiz Janice Goldberg no drama de televisão Law & Order de 2001 a 2007. 
Como uma boa fumante, Fran é conhecida por sua defesa dos direitos dos fumantes. 
Em setembro de 2007, ela foi nomeada uma das mulheres mais elegantes do ano em Lista 68th Annual International Best-Dressed da Vanity Fair;  ela é conhecida por usar ternos costurados pelo alfaiate de Savile Row Anderson & Sheppard. Em 17 de novembro de 2010, ela voltou para o Late Show with David Letterman depois de uma ausência de 16 anos. 
Falando em Público
O documentário destaca as experiências de Fran e visão de mundo sardônico. Dirigido em estilo inimitável e energético o documentários de Scorsese capta a autora, em uma conversa, eles são amigos de longa data.
Ann oferece insights sobre questões pontuais, tais como gênero, raça e direitos dos homossexuais, bem como suas irritações, incluindo a cultura da celebridade, proibição de fumar, turistas e carrinhos. Algumas frases de - "Qualquer male gentio branco que não é o presidente dos Estados Unidos falhou." 
-  " O racismo uma fantasia de superioridade,  uma fantasia pode terminar, você sabe. Provavelmente não terminara, mas ele pode. "
- " Em um certo momento, a pior foto tirada de você quando você tinha 25 anos é melhor do que a melhor foto tirada de você quando você está com 45 anos. "
-" Nova Iorque não foi melhor [nos anos 70], porque não havia mais crime. Era melhor porque era mais barato. "

 Franz Kafka ( 3 de julho de 1883 — 3 de junho de 1924)[foi um escritor tcheco, autor de romances e contos, considerado pelos críticos como um dos escritores mais influentes do século XX. A maior parte de sua obra, como A Metamorfose, O Processo e O Castelo, está repleta de temas e arquétipos de alienação e brutalidade física e psicológica, conflito entre pais e filhos, personagens com missões aterrorizantes, labirintos burocráticos e transformações místicas.
Kafka nasceu em uma família judaica de classe média e falante de alemão em Praga, então pertencente ao Império Austro-Húngaro. Durante sua vida, a maior parte da população de Praga falava tcheco e a divisão entre os falantes de tcheco e alemão era visível, já que ambos os grupos estavam tentando fortalecer sua identidade nacional. A comunidade judaica muitas vezes achou-se dividida entre esses dois grupos, levantando, naturalmente, questões sobre a origem de uma pessoa. O próprio Kafka era fluente nas duas línguas, considerando o alemão sua língua materna.
Kafka formou-se em direito e, depois de completar sua educação, conseguiu um emprego em uma companhia de seguros. Começou a escrever contos no seu tempo livre. Pelo resto de sua vida, reclamou do pouco tempo que tinha para dedicar-se ao que chegaria a chamar de “seu chamado”. Arrependeu-se de ter tido que dedicar tanto tempo ao seu “ganha pão”. Kafka preferia comunicar-se através de cartas; escreveu centenas de cartas para sua família e amigas próximas, incluindo seu pai, sua noiva e sua irmã mais nova. Ele tinha uma relação complicada e turbulenta com seu pai, o que teve uma grande influência sobre sua escrita. Também sofreu por ser judeu, sentindo que essa era uma característica que tinha pouco a ver consigo, apesar de críticos afirmarem que isso influenciou sua escrita.
Apenas algumas das obras de Kafka foram publicadas durante sua vida: as coleções de contos Considerações e Um Médico Rural, e contos (como A Metamorfose) em revistas literárias. Preparou a coleção Um Artista da Fome para impressão, mas só foi publicada postumamente pelo seu amigo Max Brod, que ignorou o desejo de Kafka de ter seus manuscritos destruídos. Albert Camus, Gabriel García Márquez e Jean-Paul Sartre estão entre os escritores influenciados pela obra de Kafka; o termo "kafkiano" popularizou-se em português como algo complicado, labiríntico e surreal, como as situações encontradas em sua obra.
Kafka ( 1992) é um filme de suspense e mistério baseado na vida e na obra do escritor Franz Kafka. O filme tenta obscurecer o limite entre o surreal e o real, criando uma atmosfera bastante kafkiana. Foi dirigido por Steven Soderbergh.
Jerome David Salinger ( 1 de janeiro de 1919 —  27 de janeiro de 2010[2] ) foi um escritor norte-americano. Sua obra mais conhecida é o romance intitulado The Catcher in the Rye (O Apanhador no Campo de Centeio), publicado em 1951 nos Estados Unidos.
Salinger (2013) Um olhar sem precedentes dentro do mundo particular de J. D. Salinger. Diretor Shane Salerno


Jonathan Safran Foer ( 21 de Fevereiro de 1977) é um escritor americano, conhecido pelos seus romances Tudo está Iluminado e Extremamente alto e incrivelmente perto. Em 2009, publicou a sua primeira obra de não ficção, intitulada Comer Animais (Eating Animals, 2009).
Ele nasceu em Washington, DC, filho de Albert Foer, um advogado, e Esther Safran Foer, presidente de uma empresa de relações públicas.
Ele graduou-se em Princeton, em 1999, com uma licenciatura em Filosofia e viajou para a Ucrânia para expandir sua tese. Em 2001, editou a antologia A Convergence of Birds: Original Fiction and Poetry Inspired by the Work of Joseph Cornell, para a qual contribuiu com o conto "If the Aging Magician Should Begin to Believe." Sua tese de Princeton tornou-se o romance Tudo está Iluminado. O livro valeu-lhe um National Jewish Book Award e um Guardian First Book Award. E um filme
Uma Vida Iluminada é o primeiro romance do escritor americano Jonathan , publicado em 2002. Escrita e estrutura do livro foi aclamado pela crítica para a maneira pela qual ele alterna entre duas histórias, sendo que ambos são autobiográficas. Um deles é a história ficionada da cidade erradicada de Trochenbrod (Trachimbrod), um shtetl verdadeira exclusivamente judaica na Polônia antes do Holocausto onde a mãe do autor nasceu; enquanto que a segunda narrativa engloba viagem dele para a Ucrânia em busca de restos e memórias de Trachimbrod, bem como do autor escrito em andamento.


Susan Sontag  nasceu Susan Rosenblatt (16 de janeiro de 1933 — 28 de dezembro de 2004) foi uma escritora, ativista, crítica de arte e social americana.

Ela tornou-se consciente da sua atração por mulheres no início da adolescência, e escreveu no seu diário aos 15 anos.
Aos 16 anos, teve o seu primeiro encontro sexual com uma mulher: "Talvez eu estava bêbada, depois de tudo, porque era tão bonito quando H começou a fazer amor comigo .... Eram 04:00, antes que tivesse chegado a cama ... Eu tornei-me plenamente consciente de que eu desejava, ela também sabia disso .... "
                                             Philip Rieff (esquerda) e Susan Sontag em 1966
Aos 17 anos, ela casa com Philip Rieff em Chicago após um namoro de dez dias. Eles ficaram  casados oito anos, durante os quais ela trabalha no ensaio: Freud: A Mente do Moralista' que seria atribuído unicamente a Philip como acordo no divórcio que ocorreu entre ambos em 1958. O casal teve um filho, David Rieff,


Graduada na Universidade de Harvard ela destacou-se por sua defesa dos direitos humanos. Publicou vários livros, entre eles: A vontade Radical, Assim Vivemos Agora, Contra Interpretação e Na America, pelo qual recebeu em 2000 o prêmio do Livro Nacional.
Publicou artigos em revistas  e em jornais.
Na década de 1970, ela esteve romanticamente envolvida com Nicole Stéphane (1923-2007), uma herdeira da família de banqueiros Rothschild que se tornou atriz. Ela mais tarde assumiu uma relação com a fotógrafa Annie Leibovitz, de quem esteve sempre próxima nos últimos anos de vida; também teve casos com a coreógrafa Lucinda Childs, a escritora Maria Irene Fornes, e outras mulheres.
Num de seus últimos artigos, publicado em maio de 2004 no jornal The New York Times, ela afirmou que " A história recordará a Guerra do Iraque pelas fotografias e vídeos das torturas cometidas pelos soldados americanos na prisão de Abu Ghraib. Ela faleceu aos 71 anos de idade de síndrome mielodisplásica seguida de uma leucemia mielóide aguda.
Em relação a Susan Sontag - Regarding Susan Sontag Um perfil de Susan que apresenta entrevistas com seus amigos, familiares e parceiros românticos, bem como a leitura de seu trabalho.

Saul Bellow (10 de junho de 1915 —  5 de abril de 2005) foi um escritor judeu nascido no Canadá e naturalizado cidadão estadunidense.
Ele recebeu o Nobel de Literatura de 1976. Premiado com o Guggenheim fellowship e a Medalha Nacional de Artes, viveu em Paris, onde escreveu The Adventures of Augie March.

O seu trabalho expressa a ascensão da sensibilidade dos imigrantes judeus a um lugar de poder e visão na América urbana contemporânea, bem como a angústia moral daqueles que se viram como sobreviventes do Holocausto - como Sammler, herói de seu livro Mr. Sammler's Planet. 
Agarre a Vida - Seize the Day baseado na obra de Saul 
Filho de imigrantes russos, nascido no Canadá, ele fixou-se em Chicago ainda criança, e tornou-se seu grande cronista, com livros como Humboldt's Gift. Seu trabalho retrata cinco décadas de experiência americana, da depressão dos anos 1930 ao novo mundo neobizantino de poder, riqueza, egoísmo arrogante e divisão social na América, no qual a inteligência deve lutar contra o materialismo. Saul resume isso em seu mais brilhante romance, Herzog, que é o retrato de um intelectual do final do século 20, pintado de forma tragicômica, discutindo a sorte com os grandes filósofos da modernidade. Em uma época que ele vê como massificação social, luxo desordenado, individualismo fútil e falência cultural, seu trabalho e seus heróis lutam para chegar a um humanismo contemporâneo.
Philip Milton Roth ( 19 de março de 1933) é um romancista norte-americano de origem judaica, considerado um dos maiores escritores norte-americanos da segunda metade do século XX. É conhecido sobretudo pelos romances, embora também tenha escrito contos e ensaios.

Entre as suas obras mais conhecidas encontra-se a coleção de contos «Goodbye, Columbus», de 1959,
Goodbye Columbus (1969)
Muitas das suas obras refletem os problemas de assimilação e identidade dos judeus dos Estados Unidos.
Revelações - The Human Stain  é um filme norte-americano de 2003 dirigido por Robert Benton. Adaptado de sua obra.
Grande parte de sua obra explora a natureza do desejo sexual e a autocompreensão. A marca registrada da sua ficção é o monólogo íntimo, dito com um humor amotinado e a energia histérica por vezes associada com as figuras do herói e narrador de «O complexo de Portnoy», a obra que o tornou conhecido.
Elegy é um filme de 2008 drama dirigido por  Isabel Coixet e adaptado por Nicholas Meyer a partir do romance de Philip Roth, The Dying Animal. 
É conhecido sobretudo por seu alter-ego, Nathan Zuckerman protagonista de diversos de seus livros. É o único autor americano a ter suas obras completas publicadas em vida pela Library of America, que tem como missão editorial preservar as obras consideradas como parte da herança cultural americana.

O Último Ato - The Humbling

Recebeu o Prêmio Pulitzer de Ficção por Pastoral Americana em 1998
O prestigioso Prêmio Internacional Man Booker em 2011.

Em 2012, ele foi o vencedor do Prêmio Príncipe das Astúrias de Literatura. Em outubro do mesmo ano, em entrevista à revista francesa Les Inrockutibles, anuncia que abandona a carreira de escritor, sendo Nêmesis o seu ultimo trabalho.