Tuesday, September 20, 2016

Caminhada Ecológica em Filmes Biográficos

A primeira noção de poder que a humanidade tem, vem do seu primitivo encontro com a natureza. Algumas vezes nos sentimos sem poder, ou sem entender como nosso poder pode interagir neste universo onde apenas alguns são poderosos. Então instintivamente nos voltamos para a fonte, a mãe natureza.

Trilha Mágica: A História da avó Gatewood - Trail Magic: The Grandma Gatewood Story (2016) pelo cineasta Peter Huston.
Emma Rowena Gatewood, mais conhecida como Avó Gatewood (25 de outubro de 1887- 04 de junho de 1973) , era uma caminhante extrema e pioneira. Ela foi a primeira mulher a caminhar as 2.168 milhas (3,489 km) do Appalachian Trail da Geórgia a Maine, numa estação.

Avó Ema nasceu em uma família de agricultores de 15 crianças em Ohio. Aos 19 anos ela se casou com P. C. Gatewood, de 27 anos de idade, um professor primário, e agricultor de tabaco, com quem teve 11 filhos. Ela teve 24 netos, 30 bisnetos, e um grande-neto no momento da sua morte em 85.
O seu marido a espancava regularmente a partir das primeiras semanas de seu casamento. Ela foi espancada quase até a morte em várias ocasiões. Ela teve costelas quebradas, dentes quebrados e outros ferimentos durante o casamento abusivo. Quando seu marido se tornava violento, ela fugia para o bosque onde encontrava paz e solidão.
Em 1940 ela finalmente se divorciou dele; depois dele ter repetidamente ameaçado interná-la num asilo de loucos como um meio de manter o controle sobre ela.
Em 1955, com a idade de 67, Avó Ema disse a seus filhos (que eram adultos) que ela estava indo para uma caminhada. Eles não perguntaram onde ou por quanto tempo, uma vez que sabia que ela era resistente e iria cuidar de si mesma.  Cerca de 5 anos antes, ela havia lido um artigo na National Geographic sobre a trilha e pensou que "seria uma boa brincadeira", embora em retrospecto considerando a dificuldade, ela acrescentou: "Não era."  A revista deu-lhe a impressão de caminhadas fáceis e cabines para limpeza no fim da caminhada de cada dia. Assim, ela levou pouca coisa. Ela usava sapatilhas de Keds e carregava um cobertor do exército, uma capa de chuva e uma cortina de chuveiro de plástico em um saco de denim caseiro atirado sobre um ombro.
Os jornais publicaram sua história. Depois da caminhada, ela foi convidada num show de TV. Essas aparições fizeram dela uma celebridade, mesmo antes da caminhada acabar e ela foi muitas vezes reconhecida e recebeu assistência de estranhos na forma de amigos, comida e lugares para dormir.
Ela repetiu o trajeto em 1960, e depois novamente em 1963 aos 75 anos, fazendo dela a primeira pessoa a caminhar a trilha três vezes (embora sua caminhada final tenha sido concluída em seções). Ela também foi creditada como sendo a mulher mais velha a caminhar pela Trilha Appalachian.
Além disso, ela andou 2.000 milhas (3.200 km) da Trilha da Independência, de Missouri, para  Oregon, com média de 22 milhas (35 km) por dia. Ela viajou para todos os estados do território continental americano.
Biografias
Ben Montgomery (2014). Caminhada da Avó Gatewood: A Inspiradora História da Mulher que salvou o Appalachian Trail.
Michelle Houts (2016). "Quando Vovó Gatewood Caminhou".


Livre - Wild (2014) é um filme  biográfico americano dirigido por Jean-Marc Vallée. O roteiro é baseado no livro de memórias de 2012 de Cheryl Strayed: Livre - A Jornada de Uma Mulher Em Busca do Recomeço.


        O filme é estrelado por Reese Witherspoon como Cheryl.
Em junho de 1995, recém-divorciada Cheryl deixa Minnesota, com planos para caminhar 1.100 milhas dos 2650 milhas na trilha da Costa do Pacifico como uma forma de auto-descoberta e cura. Apesar de sua inexperiência, ela começa sua jornada através do deserto de Mojave no sul da Califórnia. Durante a caminhada, Cheryl reflete sobre sua infância e memórias de sua mãe, Bobbi Grey (Laura Dern), cuja morte a empurrou em direção a um caminho de comportamento auto-destrutivo, o que levou ao seu divórcio.
Ao imitar a natureza, por fazer tudo parecer fácil e natural. Você conquista o poder natural.
 Nós somos inseparáveis do ambiente.
Nunca poderá haver  divorcio entre nós e o ambiente.
Se  nós poluirmos a água.
A sede poderá nos secar.


Na Natureza Selvagem - Into the Wild  (2007) é um filme de sobrevivência biográfico americano escrito e dirigido por Sean Penn.
O filme é estrelado Emile Hirsch como Chris
Christopher Johnson McCandless (12 de fevereiro de 1968 - agosto de 1992) era um aventureiro americano. Ele se aventurou no deserto do Alasca em abril de 1992 com pouca comida e equipamentos, na esperança de viver simplesmente por um tempo na solidão.
Depois de quase quatro meses, seus restos foram encontrados, pesando apenas 30 kg (66 libras). A sua morte ocorreu em um ônibus transformado usado como abrigo na área deserta.
Em janeiro de 1993, Jon Krakauer (12/04/1954) publicou a história de Chris na edição da revista Outside. Inspirado pelos detalhes da história das viagens de Chris em toda a América do Norte, ele escreveu e publicou Na Natureza Selvagem- 1998 (Companhia das Letras). Que foi adaptado para o cinema neste filme de mesmo nome.
Atores Brian Dierker, Kristen Stewart, William Hurt, Marcia Gay Harden, Jena Malone, Catherine Keener, Sean Penn e Emile Hirsch.
Chris morreu sem compreender os segredos da natureza, porque a natureza não revela os segredos dela.



127 Horas
Ao explorar uma garganta remota em Utah, o alpinista e aventureiro Aron Ralston (James Franco) fica preso quando uma pedra cai sobre seu braço. 
Ao longo dos cinco dias seguintes, Aron examina a sua vida e considera suas opções, levando-o a escolher amputar o seu braço para que ele possa libertar-se e tentar fazer o seu caminho de volta à civilização ou permanecer preso à parede de garganta e, provavelmente, morrer.
 Baseado no livro de Aron, "Entre uma rocha e um lugar duro."
Aron Ralston Lee (nascido em 27 de outubro de 1975) é um "outdoorsman"* americano, engenheiro e palestrante motivacional.
*Outdoorsman: pessoa que passa muito tempo ao ar livre ou fazendo atividades ao ar livre.
Se a gente destruir as árvores.
O ar fundamental nos faltará.
Porque apesar de tudo isso, continuamos a destruir a natureza?
As estrelas não aparecem mais à noite na cidade poluída.
Em Busca de um Caminho - The Way (2010) é um filme  dirigido, produzido e escrito por Emilio Estevez e estrelado por Martin Sheen.O filme foi inspirado pelo próprio filho de Emilio Estevez, Taylor levi.
                                         Martin Sheen (pai) Emilio Estevez (filho)
 Tudo começou em 2003 como um projeto quando Taylor, na época 19 anos, e Sheen, cuja série de TV The West Wing foi em hiato, viajou a rota de peregrinação. Taylor, que atuou como produtor associado no filme, tinha percorrido o comprimento do Caminho com seu avô. No caminho, ele encontrou a mulher que se tornaria sua esposa; Assim, o Caminho tinha um significado especial para ele. Após a viagem, uma série de discussões iniciadas entre Sheen e seu filho para um filme sobre o Caminho de Santiago.  Sheen inicialmente sugeriu  que fosse um documentário de baixo orçamento, mas Estevez não estava interessado em um pequeno projeto tal, querendo, em vez de uma experiência maior.
De acordo com os créditos de abertura, a história também é baseada em histórias selecionadas do livro de Jack Hitt Off the Road: A-Day Modern Caminhada abaixo da rota dos peregrinos em Espanha (1994).

Tracks (2013) é um filme australiano dirigido por John Curran e estrelado por Mia Wasikowska e Adam Driver. É uma adaptação das memórias de Robyn Davidson do mesmo nome, narrando a viagem de nove meses da autora em camelos através do deserto australiano. Em 1977, Robyn Davidson viaja de Alice Springs através de 2.700 quilômetros (1.700 milhas) de desertos australianos ao Oceano Índico com seu cão e quatro camelos.  O fotógrafo da National Geographic, Rick Smolan, documenta sua jornada.

Coruja Cinzenta - Gray Owl é um filme biográfico de 1999 sobre sua vida, do diretor Richard Attenborough.

Coruja Cinzenta - Archibald Stansfeld Belaney (18 de setembro de 1888 - 13 de abril de 1938), foi um conservacionista britânico, caçador de peles e escritor que se disfarçou de nativo americano. Embora tenha alcançado fama como conservacionista durante sua vida, após sua morte a revelação de que ele não era indígena, junto com outras invenções autobiográficas, afetou negativamente sua reputação.

Archibald Belaney ganhou destaque como um notável autor e palestrante, principalmente em questões ambientais. Ao trabalhar com o National Parks Branch, Gray Owl se tornou o assunto de muitos filmes e foi estabelecido como o "'zelador de animais do parque' no Parque Nacional Riding Mountain em Manitoba" em 1931.  Junto com seus numerosos artigos, livros, filmes e palestras, suas opiniões sobre a conservação alcançaram audiências além das fronteiras do Canadá. Suas visões de conservação focavam amplamente no impacto negativo dos humanos sobre a natureza por meio da mercantilização dos recursos da natureza para lucros e uma necessidade dos humanos desenvolverem respeito pelo mundo natural. 

O reconhecimento de Archibald Belaney incluiu biografias, uma placa histórica em seu local de nascimento.

Anahareo - Gertrude Bernard, foi uma escritora, ativista dos direitos dos animais e conservacionista de ascendência Algonquin e Mohawk.

 Gertrude Bernard nasceu em Ontário, em 18 de junho de 1906. Sua mãe, Mary Nash Ockiping, era Algonquin. Seu pai, Matthew Barnard, era Algonquin e Mohawk. Ela cresceu como uma garota e jovem fortemente independente, e foi descrita como uma espécie de moleca. Seus amigos a apelidaram de "Pônei". 

Quando Gertrude Barnard tinha 19 anos, ela conheceu Gray Owl, em Camp Wabikon, Canadá, onde ela trabalhava como garçonete e ele era um guia. Com quase o dobro de sua idade aos 37, o caçador de peles inglês alegou ser uma meio-apache dos Estados Unidos. À medida que se conheceram, ela fez questão de acompanhá-lo às suas traplines. Ela não aprovava a maneira como ele vivia e o encorajou a interromper suas atividades de caça com armadilhas e se tornar um ativista dos direitos dos animais. No livro  Pilgrims of the Wild (1934), Belaney conta como sua jovem esposa, ao salvar a vida de dois kits de castores e criá-los, o levou a mudar seu modo de vida e a trabalhar pela proteção da vida selvagem. Eles se consideravam casados, embora informalmente,  apesar do fato de ele ainda ser legalmente casado com sua primeira esposa, Angele Egwuna, uma ojíbua.  Eles tiveram duas filhas. 

O casal se separou em 1936.  Belaney morreu em 1938. Pouco depois de sua morte, foi publicamente revelado que ele não era parte apache, como afirmava, mas um inglês chamado Archibald Stansfeld Belaney.Em 1939, ela se casou com um nobre sueco, o conde Eric Axel Moltke-Huitfeldt. Eles tiveram uma filha, Katharine.

Em 1940, Barnard, usando o nome Anahareo que Belaney lhe dera, escreveu um livro chamado My Life With Grey Owl com o incentivo do editor de Belaney, Lovat Dickson. Ela estava insatisfeita com isso, em parte por sua falta de controle sobre a publicação final; isso a estereotipou, como ela colocou, como "uma doce e gentil donzela indiana".  

Em 1963 Seu marido morreu

Em 1972, ela escreveu o best-seller Devil in Deerskins: My Life With Grey Owl, no qual negou ter conhecido as verdadeiras origens de Belaney. Ela disse que ficou magoada ao descobrir seu engano. 

Em 1979, ela foi admitida na Ordem da Natureza da Liga Internacional dos Direitos dos Animais, com sede em Paris. 

Em 1986, ela foi eleita membro da Ordem do Canadá em 1983. 

Em 17 de junho de 1986, um dia antes de seu 80º aniversário, Anahareo morreu em Kamloops, British Columbia, Canadá.


No comments:

Post a Comment